Tuesday, May 13, 2008

Sonoridades em piano : Maria João Seixas




credits: Mark Tucker

"Não havia limite, o teclado escondia o infinito. Parecia simples, sete oitavas, não mais, um espaço tão curto que cabia dentro dos seus braços - e no entanto tinha a vastidão do mar."(...)

Teolinda Gersão, Os Teclados,
Publicações dom Quixote, 1ª edição, Abril 1999

Sem retirar mérito aos outros instrumentos musicais solistas, o piano é, segundo a minha sensibilidade, o mais profundo e completo, já que consegue falar todas as vozes e pressentir as infinitas tonalidades de uma inquieta alma.

Percorre em escalas de múltiplos sentires, sons cromáticos, espaços curtos ou longos, todos os meandros do nosso ser.

Inflexões e silêncios, detalhes de sentimentos bem recônditos, explicita sonhos e aspirações que de outro modo não nos atreveríamos a soltar, mesmo que em contraponto.

A Casa da Música tem o bom gosto e o mérito de dedicar um Ciclo ao Piano que está a decorrer desde Janeiro 2008 e se prolongará até Dezembro 2008.



piano

Steinway

"Ao longo de 2008 a Casa da Música acolhe grandes pianistas internacionais e jovens intérpretes num Ciclo extremamente variado. Desde a música para tecla de Scarlatti e Bach, na visão sempre inspirada de Maria João Pires, a uma das mais recentes composições do pianista Olli Mustonen, o Ciclo de Piano atravessa as diferentes épocas da história da música dando especial destaque ao período de ouro do Romantismo."(...)

Casa da Música

Grandes pianistas portugueses e estrangeiros passarão assim pela Sala Suggia!





Maria João Pires
créditos: Autor não identificado


Maria João Pires veio finalmente tocar na Casa da Música, depois de ter recusado o convite em 2005 para tocar no concerto de inauguração!

Não pude assistir, embora já tenha tido o privilégio de a ouvir no Rivoli há uns atrás. Não muitos.

Quase impossível. Um concerto esgotadíssimo e com muitos lugares reservados para convidados!Nem sempre aparecem Um desperdício para os que querem ouvir.

Sem dúvida uma das maiores concertistas do mundo e uma das melhores intérpretes de Mozart,
Maria João Pires interpretou Fryderyck Chopin, seu compositor favorito, segundo li.

Certamente que deixou, de novo, os melómanos extasiados. Raríssimo e sensível o seu frasear ou la 
touche, um talento profundo e íntimo que apenas deixa fluir.


Maria João Pires
"Uma artista que combina um raro refinamento estilístico com um uma compreensão profunda da complexidade intelectual e espiritual da música."

Zoran Minderovic (crítico da All Music Guide)

Chopin é também o meu compositor de música para piano. No entanto, como melhor intérprete de Chopin, eu sinto Martha Argerich! Formas de sentir que não dão para explicar.

Sem desprestígio para Maria João Pires que admiro como excepcional intérprete e como fundadora da
Associação Belgais mas que não venero, por algumas atitudes menos coerentes para com um país que a tem tratado com todo o carinho, mas que não cede.








"Et non seulement l'imagination musicale, celle d'un Chopin, d'un Schumann ou d'un Fauré, qui se suffit à elle-même et qui traduit, sans le formuler explicitement, les rêves et les désirs humains,"(...)

Alfred Cortot, La Musique Française de Piano
Presses Universitaires de France, 3e édition, 1948

G-S


Fragmentos Culturais de sentir musical, Martha Argerich, Chopin, Concerto para Piano e Orquestra, nº1, 2º Andamento

13.05.08
Copyright © 2008-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®


12 comments:

Tiago R Cardoso said...

mais um brilhante momento, excelente.

Peço-te desculpa por estes comentários telegráficos, ando muito cansado e com pouco tempo, neste momento estou mais em leituras do que escrita.

Fragmentos Culturais said...

Olá Tiago,

Como te compreendo!

Sensibilizada pela tua 'fidelidade' a fragmentos!

Boas leituras [lindos momentos, espaços perfeitos de pausa e introversão...]

Um beijo

Luís Costa said...

Espaço de beleza, volúpia e inteligência. É um prazer para para os olhos e para a alma este cantinho. Estou muito feliz, por ter gente das artes atenta ao que eu vou fazendo.
Virei aqui com regularidade passear o meu espírito.

DelfimPeixoto said...

Obrigado pela visita ! Fico alegre por "ler" Música... ( conheces a Biblioteca Musical na C. dos Reis?)... Era da minha família, antes dos actuais proprietários...
Abraço!

avelaneiraflorida said...

Fragmentos,

no meio da azáfama diária...as notas de um piano são o melhor lenitivo!!!!
Que o piano não deixe de tocar...NUNCA!!!

Bjkas!!!

Hanah said...

Obrigado pela visita!..

adorei passar por aqui e por lá ..

adorei a iniciativa educacional da troca de forma simples, vou aparecer por lá...

a natureza é uma linguagem clara, que parece que só entendemos melhor quando somos crianças...

Namastê

EDUARDO said...

Muito cultural... Venho aqui colher sabedoria amigo, obrigado! Abraços


paradoxos

Fragmentos Culturais said...

Luís,

... aqui escreve-se de 'coisas' que fazem bem à alma! Com simplicidade!

Pequenos 'fragmentos' das diferentes expressões da arte que me 'tocam'.

Sensibilizada pelo seu olhar em meu espaço!

Voltarei a lê-lo com prazer! Assim queira 're'aparecer...

Fragmentos Culturais said...

Delfim,

De nada... foi com prazer!

Sim, temos um gosto/prazer em comum: a música!

Conheci! Muito bem... aí comprava todas as minhas 'partituras'!
Interessante saber que pertencera a tua família!

Sensibilizada pelo teu olhar 'musical' em 'fragmentos'!

Abraço

Fragmentos Culturais said...

Sem dúvida, 'avelaneira'! O som de um piano é uma 'dádiva' para os ouvidos e um aconchego para a alma!

Duvido que algum dia se deixe de ouvir um piano!
Haverá sempre 'espíritos' privilegiados que farão sair desse instrumento os momentos supremos de uma sensibilidade surpreendente!

Que bom voltar a ler teu olhar amistoso!

Continuação de lindo fim-de-semana!

Um beijo

Fragmentos Culturais said...

Hanah,

... de nada! De espaço em espaço, se vai chegando a outros espaços!

'...adorei passar por aqui e por lá ..' - fiquei confusa aqui?!

Não creio que só possamos entender bem o ritmo e a beleza da natureza quando somos crianças! Tudo tem a ver com sensibilidade...

Namastê

Fragmentos Culturais said...

... pois 'amigo' Eduardo, aqui poderás vir sempre que a tua sensibilidade te 'encaminhar'!

Apenas encontrarás pequenos, simples apontamentos/fragmentos de algumas das expressões culturais que me deliciam ou oferecem 'temperança'!

Abraços da 'autora'