Wednesday, January 18, 2017

E depois dos Golden Globes, vêm aí os Bafta Awards







La La Land
Damien Chazelle. 2016

Há muito afastada do cinema. Não das salas. Apenas aqui. Segundo vejo, desde Janeiro 2016. Um pouco incrédula. É que escrevia muitas vezes sobre cinema.

Foi então com o filme As Sufragistas, Sufragettede Sarah Gravon. Um filme marcante da história bem próxima. 

Continua um dos posts mais lidos. Embora sem comentários adicionais.

Decido-me, esta noite. Cinema. Os Golden Globes AwardsBafta Awards, e pequenos apontamentos. Permito-me deixar duas ou três sugestões.





Bafta Awards 2017

Pois bem! Chegou aquele momento do ano, tão aguardado pelos cinéfilos, em que os grandes Prémios se sucedem. Foram os Globe Golden Awardsem Janeiro. Aproximam-se agora os Bafta 2017, cuja lista de Nomeações foi apresentada há uma semana. Precisamente em 10 de Janeiro 2017.






Parece que o ano vai ser de La La Land de Damien ChazelleSim já arrecadou vários troféus nos Golden Globes. E continua a somar nomeações, agora nos Bafta Awards.

E com La La Land, promete ser o ano dos actores Ryan GoslingMelhor Actor na categoria Musical ou Comédia. E Emma StoneMelhor Actriz também na categoria Musical ou Comédia.





La La Land
Damien Chazelle. 2016

Depois da vitória arrasadora nos Golden Globes, (sete nomeações, sete galardões), La La Land - Melodia de Amor, tradução do título original La La Land lança um olhar contemporâneo à Hollywood dos anos doirados do Musical.



O filme lidera agora os Bafta Awards 2017 com 11 nomeações! Nomeações que incluem as de Melhor Filme, Realização (Damien Chazelle), Actor (Ryan Gosling) e Actriz (Emma Stone). Estou curiosíssima.





O Primeiro Encontro/ Arrival
Denis Villeneuve, 2016
O seu maior concorrente? O Primeiro Encontro, tradução para Arrival, um filme de ficção científica realizado por Denis Villeneuve que tem nove nomeações.




Manchester by the Sea
Kenneth Lonergan, 2016
A lista de Nomeados para Melhor Filme completa-se com Manchester by the Sea (seis nomeações), cinco nomeações nos Golden Globe e um galardão para o actor Casey AffleckEu, Daniel Blake, tradução de I, Daniel Blake, de Ken Loah, o vencedor da Palme d'Or do Festival de Cannes 2016cinco nomeações. E Moonlight, de Barry Jenkins, vencedor do Golden Globes, (cinco nomeações, um galardão, Melhor Filme na categoria Drama, quatro omeações. 




Hacksaw Ridge,
Mel Gibson, 2016

Dos Golden Globes Awards, vi O Herói de Hacksaw, tradução de Hacksaw Ridge, realizado por Mel Gibson que volta depois de 10 anos de silêncio. Mel Gibson conta a história verídica de Desmond T. Doss, um homem comum que atravessou o inferno da II Guerra, no ano 1945, na acção do exército americano em Urasoe Mura, Okinawa, Ryukyu Islands (Japão). Salvou dezenas de soldados, imbuído de força de vontade e crença inabaláveis. 

Primeiro objector de consciência da história americana, participou na guerra como socorrista. Acabou premiado com a Medalha de Honra pelos actos de bravura, sem tocar numa arma.

Filme humano, bem narrado, conseguindo transmitir o melhor e o pior do ser humano. Observa-se o lado autêntico da guerra, expondo com verdade a carnifica, por vezes demasiado intensa. 
Gibson esclareceu numa entrevista que pretendeu alertar para as situações reais que os soldados vivenciarame que levaram alguns ao suicídio.






Os actores têm uma prestação excelente, na entrega de vivenciar a história real. Andrew Garfield personifica Desmond T. Doss (testemunhos autênticos no final do filme), num jeito naïf muito sincero, próximo do jovem socorrista Desmond T. Doss, na defesa dos seus valores.

Aconselho vivamente, se gosta de dramas de guerra baseados em factos verídicos.


A Longa Estrada para Casa/ Lion
Garth Davis, 2016

Vi também A Longa Estrada para Casa, tradução de Lion, de Garth Davis, outra história de vida.

Em 1986, Saroo, cinco anos, perdeu-se do irmão mais velho numa estação de comboios, na Índia, país de origem.

Apesar de muitas dificuldades, conseguiu sobreviver, esteve num centro de crianças abandonadas até ser adoptado por  um casal australiano. 

Passados vinte e cinco anos, e a viver na Tasmânia com a família adoptiva, Saroo tenta descobrir as suas verdadeiras origens, e reencontrar a sua família indiana.



A Long Way Home
Saroo Brierley

A história baseia-se na obra autobiográfica A Long Way Home, de Saroo Brierley

Dev Patel, o jovem actor que vimos na divina comédia The Best Exotic Marigold Hotel (2011), e Quem quer ser Milionário, vencedor Oscar de Melhor Filme do Ano em 2009, faz parte da lista da Forbes 30 Under 30 2017 interpreta Saroo na idade adulta. A seu lado Nicole Kidman, Rooney Mara, David Wenham e Sunny Pawar.

O filme não foi bem conseguido, sobretudo a partir do momento em que Saroo se foca no regresso às suas origens. Uma narração desinteressante que faz perder toda uma primeira parte bem intensa.






Dos nomeados pelos Bafta Awards, ressalto a esplendorosa Meryl Streep que não pára de nos surpreender.

'“Meryl” Streep, considered the finest actress of her generation.'
Golden Globes Awards

Desta vez, em Florence, Uma Diva Fora de Tom, tradução de Florence Foster Jenkins, filme biográfico, baseado na história de Florence Foster Jenkins, uma soprano amadora da alta sociedade americana que, apesar da sua total e assustadora inabilidade vocal, se tornou figura musical de culto da cidade de Nova Iorque nos anos 1920-1940. O historiador Stephen Pile considerou-a "the world's worst opera singer"

"No one, before or since," he wrote, "has succeeded in liberating themselves quite so completely from the shackles of musical notation."

Realização do conceituado  Stephen Frears, 2016. Meryl Streep, excelentemente secundada por Hugh Grant. Os dois estão nomeados: Melhor Actriz Principal e Melhor Actor Secundário. 

Dos três filmes aqui referidos, o primeiro e o terceiro valem mesmo a pena ver!

Fiquemos agora na expectativa dos Bafta Awards, já no próximo dia 12 Fevereiro.

G-S

Fragmentos Culturais

18.01.2017
Copyright © 2017-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®6.2017 



Thursday, December 22, 2016

Natal, tempo de mudança






créditos: Autor não identificado


Falavam-me de Amor

Quando um ramo de doze badaladas 
se espalhava nos móveis e tu vinhas 
solstício de mel pelas escadas 
de um sentimento com nozes e com pinhas, 

menino eras de lenha e crepitavas 
porque do fogo o nome antigo tinhas 
e em sua eternidade colocavas 
o que a infância pedia às andorinhas. 

Depois nas folhas secas te envolvias 
de trezentos e muitos lerdos dias 
e eras um sol na sombra flagelado. 

O fel que por nós bebes te liberta 
e no manso natal que te conserta 
só tu ficaste a ti acostumado. 

Natália Correia, in 'O Dilúvio e a Pomba' 



Natal. Falavam-nos de amor na nossa infância. E daí o Natal nos trazer o desejo de paz de espírito. E com essa paz de espírito, a vontade de valorizar apenas o que devemos valorizar. Fácil? Escrever, sim. Difícil de praticar.

Surge um pensamento. Natal é época de paz. Vamos então largar. Largar? Sim, largar! Largar tudo o que nos traz tristeza. Limpar a alma, equilibrar energias. Já que cá estamos, larguemos! 

O mundo, tantas pessoas estão bem mais infelizes do que nós. Guerras, morte, medo, doenças. Larguemos, pois!


Vamos sim avaliar o que nos limita a felicidade. E decidir o que devemos largar. Os amigos que não são, as maldades de alguns familiares, a conversa oprimida na garganta. 

Partilho esta minha reflexão, ao reler o poema de Natália Correia. Aspectos que mais nos desestabilizam? O perdão. 

Sim porque passamos a vida a dizer que perdoamos, mas se não esquecemos, é porque bem, lá no fundo, o perdão não se fez.

A idade traz-nos uma evidência. Preocupar apenas com aqueles que amamos. E que quando tudo corre bem, também nos amam. 

Mas nem sempre o amor resiste a tudo. E, aquele malfadada 'aversão' é alimentada por mal-entendidos, mágoas, atitudes mal geridas, palavras atiradas como pedras. Magoam, ferem, matam afectos. 

O amor em geral enquadra em si actos de loucura. Vamos engolir o orgulho. Por amor não é vergonha. O bem-estar e leveza do 'assunto' sanado é real. Até certo ponto. 

Mas vale bem a pena 'arrumar' para poder largar. Entenda-se que o largar se refere ao assunto e não à pessoa. Embora, por vezes, também seja necessário largar a pessoa.

Aproveitar o espírito de Natal que teima em alojar-se em nós. E é uma excelente desculpa.

Pois então. Falemos com aquele familiar que passa o ano sem ligar, mas que no Natal faz um telefonema a desejar - Feliz Natal! 

Levantemos a hipótese de um convite para uma ceia de Natal.

E há ainda, os tios, primos, amigos. Expressemos o que trazemos preso na garganta, o que nos magoou, irritou, afastou. Aquilo que quisemos dizer e não dissemos. Por orgulho? Não sei.

Vamos lá! Digamos. E sintamos a reacção. Choro, abraços? Aproximar-se ou afastar-se, mas tentemos resolver. Hoje, porque amanhã pode já não dar. 

Não vivamos com o que devia ter sido dito, devia ter sido feito. Digamos! Façamos! Nem que assumamos humildemente que o fazemos por nós, pelo direito a ser felizes.


G-S

22.12.2016
Copyright © 2016-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®6.2016

Thursday, December 15, 2016

Joel Santos, português : Melhor Travel Photographer of the Year 2016





Etiópia: Depressão de Afar (ou Depressão de Danakil
créditos: Joel Santos


"Joel's two portfolios - entered in the Land Sea Sky and Journeys & Adventures categories - exhibit a remarkable diversity in subject, technique and feel. "

Judges thoughts

O fotógrafo português Joel Santos foi o grande vencedor do concurso Travel Photographer of the Year, ou seja, foi eleito fotógrafo de viagens do ano pelo painel da organização baseada em Londres.

Os trabalhos que mereceram a distinção foram fotografados na Etiópia e no Gana

As imagens vencedoras podem ser vistas aqui e estarão em exposição em Londres no próximo ano.





créditos: Joel Santos
https://www.facebook.com/Joel.Santos.Photography/


O júri considerou que os trabalhados apresentados por Joel Santos, nas categorias "Terra Mar Céu" e "Viagens e Aventuras", mostram uma "assinalável diversidade nos motivos, na técnica e na sensação".

Um dos trabalhos foi fotografado na Etiópia, na Depressão de Afar (ou Depressão de Danakil), com uma câmara montada num drone.

"The first portfolio, shot in Ethiopia's Danakil Depression, is the first winner to be shot using a drone-mounted camera, giving us a different perspective on this dramatic landscape and revealing dramatic detail which wouldn't be visible at ground level."

judges thoughts 

É o primeiro fotógrafo a vencer um prémio com imagens tiradas a partir de um drone. 

O júri salienta a "perspectiva diferente desta paisagem dramática", que revela "pormenores dramáticos que não seriam visíveis ao nível do solo".






créditos: Joel Santos
https://www.facebook.com/Joel.Santos.Photography/


"The second portfolio is a sensitive and intimate insight into the life of a Ghanaian fisherman on Lake Bosumtwi. In dull weather conditions these subtle images create beautiful shapes against the light, balancing detail in lowlights and highlights without the need to overlighten the all important shadow areas of the image which give it depth."

Judges thoughts





Joel Santos deixa um convite na sua conta Facebook:

"Os dois portefólios vencedores do Travel Photographer of the Year 2016, vão estar expostas, em primeira mão, na Colorfoto Megastore de Alvalade, com inauguração marcada para dia 16 de Dezembro, sexta-feira, às 17:00 horas.


Estarei presente amanhã e, também, no Sábado, conjuntamente coma a acção "Ofereça Fotografia neste Natal" e sessão de dedicatórias para os livros de fotografia FOTOgrafia, FOTOcomposição, FOTOpad, entre outros.


Fica o convite para esta celebração da fotografia, esperando ter a honra da vossa presença! Boas Festas!"





Faz ainda saber que os dois portefólios vencedores do "Travel Photographer Of the Year 2016", constituídos por 8 fotografias, vão estar em exposição em Londres e Hull (Reino Unido, com data a anunciar), entre outros países.


Já em 2011, um outro fotógrago português, Vítor Melo fora vencedor fora vencedor do Urban Photographer of the Year que na categoria Cities at Work captou um artesão tunisino a trabalhar o  bronze.

E em 2012, Carlos Esteves obteve uma Menção Honrosa no Travel Photographer of the Year, na categori Best Single Image in a Portfolio - Journeys. No mesmo ano, foi ainda finalista na competição internacional de retratos Shoot the Face.

Não faço fotografia, mas admiro muito quem faz. E perco-me tantas vezes, na busca do que está para além da imagem: pessoas, animais ou paisagens. 

É uma viagem interior que se faz pelos olhos de alguém, e que acordam em nós sentimentos de magia e partilha que ultrapassa um simples recorte de beleza.

Considero a fotografia uma arte que exige uma estética do olhar de grande sensibilidade. Com ela viajamos bem longe. Quase como um livro que se abre e que nos envolve. Alquimia no seu estado puro.


Parabéns Joel Santos !

G-S

Fragmentos Culturais

15.12.2016
Copyright © 2016-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®6.2016