Tuesday, January 21, 2014

Claudio Abbado : tributo




Claudio Abbado 1933-2014

"Caudio Abbado, a conductor whose refined interpretations of a large symphonic and operatic repertory won him the directorships of several of the world’s most revered musical institutions — including La Scala, the London Symphony Orchestra, the Vienna State Opera and the Berlin Philharmonic."

Allan Kozinn, New York Times

Morreu Claudio Abbado. É assim que o New York Times abre o seu artigo sobre a morte do maestro Claudio Abbado. O maestro que se recusava a dirigir uma orquestra com partitura. 

"After meticulous preparation, involving consultation of original sources, he conducted everything from memory."

O mundo ficou hoje mais triste. O maestro italiano tinha 80 anos, e lutava há algum tempo contra uma doença que o obrigou ao cancelamento de vários concertos previstos com a orquestra de Bolonha que dirigida nos últimos anos.

Em Agosto de 2013, Abbado foi nomeado senador vitalício pelo presidente italiano, pelos méritos conseguidos ao longo da sua carreira. 

Em Dezembro último, o maestro renunciou à sua remuneração como senador, e destinou esse dinheiro à criação de bolsas para jovens músicos.

Considerado um dos maiores maestros do mundo, the great conductor, Abbado morreu hoje, na sua casa em Bolonha, no norte de Itália, 

Nascido em Milão em 26 Junho 1933 numa família de músicos, Seu pai era violinista e professor no Giuseppe Verdi Conservatory em Milão, seu irmão mais velho tornou-se director da escola. Completou a sua educação em Viena e Siena.

Em Siena tornou-se amigo de dois outros estudantes do conservatório, hoje também grandes. Zubin Mehta e Daniel Barenboim. Barenboim vai dirigir o concerto de homenagem nas cerimónias fúnebres de Abbado.

Mehta persuadiu Abbado a juntar-se a ele, como estudante, na Hans Swarowsky at the Vienna Academy. In 1958. Foram os dois para Berkshire Music Center em Tanglewood, onde Abbado ganhou o Koussevitzky Prize para jovens maestros

Foi director no La Scala de Milão, entre 1968 e 1986, nomeado depois para gerir os destinos da London Symphony Orchestra (1979 e 1988), e da Ópera de Viena. 

Admirador confesso das orquestras norte-americanas, conduziu Chicago Symphony, a Cleveland Orchestra e a New York Philharmonic.



Claudio Abbado 
foto: Cordula Groth 2000

"He was a particularly lyrical interpreter of Mahler, whose richly emotional language he had absorbed as a student in Vienna. But he was also a distinguished conductor of Mozart, Beethoven and Schubert, and he had a flair for Russian symphonic music."

Allan Kozzin, NYT

A sua obra é tão vasta que não dá para enumerar. Aliás, a música é para ser sentida. E Abbado senti-a  de um modo muito especial que passava pela sua imensa sensibilidade.

Apreciando profundamente van KarajanLeonard Bernstein (que o encorajou imenso), é Claudio Abbado, minha referência desde os meus estudos musicais no Conservatório, o meu preferido. Como Martha Argerich é a minha intérprete mais querida mo que concerne o piano.



Claudio Abbado & Martha Argerich
foto: Eric Auerbach | Hutton Archive via Getty Images

Martha Argerich e Claudio Abbado, pianista e maestro, meus intérpretes da alma, tocaram juntos, suponho, pela última vez em Paris, Abril 14, 2013. A ver aqui

Termino então referindo a sua vasta obra discográfica na conceituada Deutsche Grammophondesde 1967 a 2013

"It is with deep regret that Deutsche Grammophon announces the passing of one of the greatest conductors of this and the last century. The label is proud to have accompanied Claudio Abbado on his musical journey over the last 46 years, and to have had the privilege of preserving his work in recordings."

Deutsche Grammophon anunciou assim, no seu site, a morte deste enorme maestro dos séculos XX-XXI.



Claudio Abbado 
foto: Georg Anderhub 

Em 2012, Gramophone nomeu Abbado uma das “50 People Who Changed Classical Music”. 

Para celebrar os 80 anos de Abbado completados em Junho de 2013, Deutsche Grammophon emitiu uma edição de 41 CDs cobrindo as obras fundamentais do repertório sinfónico do maestro.

Em 2013, a discográfica lançou ainda as suas gravações com a Orchestra Mozart a 2ª sinfonia de Schumann e os concertos para piano e orquestra de Mozart com a pianista portuguesa Maria João Pires





Em Fevereiro de 2014, estão previstas as gravações com Martha Argerich dos concertos para piano e orquestra, No.20 in D minor, K.466 e No 25 in C. K 503 de Mozart.


Mas oicamos com recolhimento, Lacrimosado Requiem K.626 de Mozart pela Lucerne Festival Orchestra, Chor des Bayerischen Rundfunks e Swedish Radio Choir conduzido por Claudio Abbado em 2012.




E sintamos a emoção do maestro no final da interpretação do Requiem...





"What makes Claudio a great artist is his humanity, his extraordinary ability to change the sounds of the orchestra with just a gesture (…) His performances can be life-changing.”

Douglas Boyd


De todos os artigos que li ao longo do dia, na imprensa portuguesa e internacional, o artigo-homenagem de maior beleza foi escrito por Allan Kozzin, no New York Times e poderá ser lido na íntegra aqui

G-S

Fragmentos Culturais 

21.01.2014

Copyright © 2014-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 
Licença Creative Commons

Sunday, January 12, 2014

Com Simone de Beauvoir




Simone de Beauvoir
créditos: Autor não identificado

"Self-knowledge is no guarantee of happiness, but it is on the side of happiness and can supply the courage to fight for it."

Simone de Beauvoir

Gosto de escrever sobre literatura. São ão muitas as publicações que tenho dedicado a grandes vultos da literatura portuguesa e mundial. 

Chegou hoje o momento de escrever sobre Simone de Beauvoir

Simone de Beauvoir, romancista, filósofa, ensaísta, intelectual no clássico sentido da palavra, teria feito 106 anos em 9 de Janeiro passado.

O motor de busca Google não deixou de a homenagear com um Doodle*, surpresa muito agradável o aceder à página principal do browser nesse dia.

O doodle representa Simone sobre cenário da rua parisiense onde se situa o Café Flore, esquina 
 Boulevard Saint-Germain and Rue Saint-Benoît, 6e arrondissement.

Um espaço para sempre associado a Beauvoir e Sartre, e a todos os artistas e intelectuais da época. Hoje, ponto de 'peregrinação turística' em pleno séc. XXI.




imone de Beauvoir 
Google Doodle 106º Aniversário de Simone de Beauvoir

Simone-Lucie-Ernestine-Marie Bertrand de Beauvoir, "philosophe et femme de lettres, attachée au mouvement de l'existentialisme et au communisme, reste aujourd'hui l'une des plus grandes figures du féminisme, comme de la vie intellectuelle et politique de l'après-guerre en France. Normalienne, agrégée de philosophie, elle fonde en 1945 avec son compagnon Jean-Paul Sartre et plusieurs autres intellectuels la revue Les temps modernes."

Le Point.fr



Simone de Beauvoir & Jean-Paul Sartre
créditos: Photographies de Brassaï

duo Sartre-Beauvoir apaixonou a literatura e a filosofia do século XX. Simone de Beauvoir / Jean-Paul Sartre formam um dos casais míticos e anticonformistas da vida cultural do século XX.

Beauvoir e Sartre conheceram-se nos anfiteatros da Sorbonne, em finais dos anos 20. Ela tinha vinte e um anos e ele vinte e quatro. Os seus destinos ficaram ligados  ao longo de 50 anos.

Beauvoir e Sartre, iniciadores da filosofia denominada 
Existencialismo, fundaram, em conjunto com outros existencilalistas, a revista Les Temps Modernes (1945).



Simone de Beauvoir
créditos: Autor não identificado

De Beauvoir manteve uma relação ao longo da vida com Jean-Paul Sartre, que não exclui outros relacionamentos quer da parte de um quer da parte do outro.

Beauvoir assumia que a ausência de casamento e filhos lhe permitia prosseguir os seus estudos e carreira como professora, bem como a sua escrita.




Le deuxième siècle, 1949
Simone de Beauvoir

En 1949, Simone de Beauvoir publica um ensaio intitulado Le deuxième sexe, de onde foi extraída a célebre frase "on ne naît pas femme, on le devient". 

O livro que analisa a condição feminina e defende teses bastante progressistas para a época. Fez escândalo, mas tornou-se rapidamente um sucesso. 





Les Mandarins, 1954
Simone de Beauvoir

Alguns anos mais tarde, em 1954, o seu romance Les Mandarins obteve o Prix Goncourt

«- Qu'est-ce qui ne va pas ?
- Rien, tout va très bien, dis-je d'un ton dégagé.
- Allons ! Allons ! je sais ce que ça veut dire quand tu prends ta voix de dame du monde, dit Robert. Je suis sûr qu'en ce moment ça tourne dur dans cette tête. Combien de verres de punch as-tu bus ?
- Sûrement moins que vous, et le punch n'y est pour rien.
- Ah ! tu avoues ! dit Robert d'un ton triomphant ; il y a quelque chose et le punch n'y est pour rien ; quoi donc ?
- C'est Scriassine, dis-je en riant ; il m'a expliqué que les intellectuels français étaient foutus.»


Simone de Beauvoir, Les Mandarins (extrait), 21.10.1954

Abandonou em seguida o género literário, romance, para se dedicar a obras autobiográficas.



Mémoires d'une jeune fille rangée, 1958
Simone de Beauvoir
Em 1958, Mémoires d'une jeune fille rangée, "Castor" (o sobrenome foi-lhe atrbuido pela semelhança com o seu apelido 'beaver' (castor em inglês), conta o seu percurso, a conquista da liberdade intelectual e amorosa, apesar dos conservadorismos da época. 




La Force des Choses, 1963
Simone de Beauvoir

Seguiu-se La Force des chosesSimone de Beauvoir escolheu continuar no livro La Force des choses, a autobiografia iniciada em Mémoires d'une jeune fille rangée et La Force de l'âge. 



La cérémonie des adieux
suivi de Entretiens avec Jean-Paul Sartre 
août - septembre 1974
Simone de Beauvoir

No seu último livro, La cérémonie des adieux, fala da morte de Jean-Paul Sartre. A sua relação tumultuosa continua ainda hoje a fascinar escritores e artistas. 


 

Les Amants du Flore 
Ilan Duran Cohen, 2006

O filme Les amants du Flore é un télé-filme dramático francês, realizado por Ilan Duran Cohen, de Abril 2006 e transmitido pelo canal France 3, no dia 6 Sepembro 2006.

Mais recentemente, Violette (2013) que fala do percurso de Beauvoir e da romancista Violette Leduc

Preferi não incluir os vídeos trailers por considerá-los um pouco ousados. Deixo à consideração dos leitores querer visioná-los, seguindo os links.


Sartre morreu em 1980, Simone de Beauvoir em 1986. Repousam os dois no célebre cimetière du Montparnasse, em Paris. De Beauvoir editou até sua morte.





(Re)découvrir L'Oeuvre de
Beauvoir
sous la Direction de Julia Kristeva

Le Prix Simone de Beauvoir, pela libertação das mulheres, foi criado em sua memória em 2008, numa iniciativa de Julia Kristeva no 100º aniversário de Beauvoir.

O prémio é financiado pela Universidade de Paris, Paris Diderot Foundation, edições Gallimard et Cultures France.






No final de 2013, a escritora Irène Frain, publicou o livro Simone in Love. Segundo dados históricos, esta relação coexistiu com a relação de Sarte e Beauvoir

Como sempre, não aprovo as obras de carácter biográfico publicadas após a morte de personalidades importantes, pelo facto de poderem ser ou não de carácter especulativo.





Beauvoir in love
Irène Frain

Obra que se dedica a explanar o encontro literário e amoroso de Beauvoir com o escritor americano Nelson Algren. A descobrir?

"L'humanité préfère à la vie des raisons de vivre".


Simone de Beauvoir, Le Deuxième Sexe.



G-S

Fragmentos Culturais

12.01.2014
actualizado em 09.01.2018
Copyright © 2018-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 

Licença Creative Commons

*Nota: 'Doodlessão um tipo de esboço ou desenho, no sentido literal da palavra 'rabiscos', criado pela Google a partir do seu lógotipo que aparecem de forma intermitente na página inicial do motor de busca para celebrar um evento ou uma personalidade. 

O primeiro apareceu em 1998 para o Festival Burning Man (deserto de Nevada). Desde aí, mais de mil doodles já foram criados e a tradição continua. 

Os doodle levam - web obriga - a um link hypertexto para a págna de resultados de pesquisa na internet sobre o assunto ou personalidade celebrados. Desde 2011, alguns desses doodles passaram a conter vídeos.