Saturday, April 18, 2009

Borges repatriado





Jorge Luís Borges


"Aguardo la muerte con esperanza (...) tengo miedo de ser inmortal".

Jorge Luís Borges, 1978


Depois de Edgar Poe, também Jorge Luís Borges sofre da ausência da palavra para expressar sua vontade final, quanto ao descanso de seu corpo!

A iniciativa de Lenz, apoiada pelo presidente da Sociedade Argentina de Escritores, e coleccionador da obra borgiana, Alejandro Váccaro - que mantém um aberto confronto com a viúva de Borges desde há alguns anos -, sacudiu o mundo cultural argentino e provocou um intenso reboliço nos meios de comunicação.




José Luis Borges
Retrato: Alejandro Cabeza

Isto vem a propósito de uma notícia saída no jornal El Pais em 28 de Janeiro de 2009:

"Una diputada oficialista presentará un proyecto de ley para repatriar a Argentina los restos del escritor Jorge Luis Borges desde Ginebra, lo que ha desatado posiciones a favor y en contra, informaron hoy medios locales. Se trata de una iniciativa de la legisladora peronista María Beatriz Lenz, que planea ponerla a consideración del Parlamento a finales de este mes con el objetivo de que los restos de Borges sean repatriados en agosto próximo, cuando se cumplan 110 años del nacimiento del autor."

Existe efectivamente um curto filme datado de 1969, onde o autor de El Aleph afirma a sua vontade de ser enterrado junto dos seus, a uns metros de Evita Perón.

Trata-se de um documentário da televisão pública francesa, realizado pelo franco-espanhol José María Berzosa y por André Camp

Tem por título Le passé qui ne menace pas e está depositado nos arquivos do Instituto Nacional de Audiovisual de França. 

Posteriormente, Borges naturalizou-se suiço, e na Suiça viveu até à sua morte. A viúva contesta esta posição e não admite que Borges seja repatriado.

Maria Kodama, declarou a uma estação de rádio porteña que, "en una democracia, ninguna persona de ningún partido puede disponer o intentar disponer del cuerpo de una persona, que es lo más sagrado, frente a otra que ha dado y sigue dando su vida por amor".




créditos: www.allposters.com


Não interessa se Borges ou Poe nasceram num país ou numa cidade e morreram em outro país ou cidade! Se, pela sua obra e grande engenho, passaram a ser cidadãos universais, há que respeitar o que o destino lhes reservou e aqueles que dão voz às suas últimas vontades.

Podem até os próprios deixar, como legado, a sua vontade escrita. Respeite-se!


Segundo li, existe, a ser verdade, este argumento que Maria Kodama apresenta:


La carta dirigida por Jorge Luis Borges a la Agencia Efe en 1986, unas semanas antes de su muerte, es una prueba más de su deseo de descansar en Ginebra. (...)



Disputar os restos mortais de um ser, um poeta, um escritor, só para ficar com a fama de possuir mais uma referência cultural, é obsceno, um atentado moral!

Os mortos são sagrados.


"El poder simbólico es el de la obra, no el del cuerpo de Borges"

María Kodama


G-S

Fragmentos literários


18.04.2009

Copyright © 2009-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Licença Creative Commons


10 comments:

Isamar said...

"Disputar os restos de um ser, só para ficar com a fama de possuir mais uma referência cultural, é obsceno, um atentado moral! Os mortos são sagrados."

Os mortos são sagrados e sagrada é também a manifestação da sua vontade. Genebra deverá ser o seu leito eterno. A obra, essa, permanecerá para sempre entre nós.

Bem-hajas!

Beijinho

Oliver Pickwick said...

É uma questão polêmica, repleta de relatividades. No entanto, concordo com o Isamar, desde que manifesta em vida, a última morada de qualquer deveria ser aquela de sua escolha.
Um beijo!

heretico said...

"El poder simbólico es el de la obra, no el del cuerpo de Borges..." - com a "autoridade" de Maria Kadima.

beijo

Å®t Øf £övë said...

O importante é deixarem-no descansar em paz seja lá onde for. Às vezes o ser humano consegue ser muito mesquinho, só procurando protagonismo.
Bjo.

Paulo - Intemporal said...

__________________________________

vinte e cinco de abril de dois mil e nove
__________________________________

e porque são sei dizer melhor e se soubesse não saberia dizer assim, digo que,

"Há uma Justiça para ricos e outra para pobres, uma Justiça para famosos e outra para anónimos, como há Saúde e Educação diferentes para ricos e pobres. Cumprir Abril é uma questão de justiça. Já não podemos esperar mais 35 anos".

Paulo Baldaia

______________ para reflexão [...]

Fragmentos Culturais said...

Não concebo nem aceito que se toque em aspectos sagrados ligados ao ser humano, 'Isamar'! Daí a minha tristeza :(

Sensibilizada pelo olhar fraterno em 'fragmentos'!

Tranquilo fim-de-semana!
Um beijo

Fragmentos Culturais said...

'É uma questão polêmica, repleta de relatividades...' - Pick_ para mim não tem polémica, quando a pessoa já não pode expressar sua vontade!

Suponho, pelo que li da controvérsia, que Borges exprimiu seus anseios em dois momentos diferentes. Deve-se-à respeitar o último...

Um beijo,

... sensibilizada pelo olhar! 'Isamar' foi da minha opinião...

Fragmentos Culturais said...

As palavras de Maria Kodama, a companheira que esteve com Borges até seu último momento, são de grande significado!

Sensibilizada, 'Herético'! Sempre atento!
Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

'O importante é deixarem-no descansar em paz seja lá onde for' - essa é atambém a minha opinião, 'Art_'.

'Às vezes o ser humano consegue ser muito mesquinho, só procurando protagonismo.' - muitas muitas vezes, pesar meu :(

Um beijo sensibilizado pela amizade que perdura...

Fragmentos Culturais said...

"Há uma Justiça para ricos e outra para pobres, uma Justiça para famosos e outra para anónimos, como há Saúde e Educação diferentes para ricos e pobres. Cumprir Abril é uma questão de justiça. Já não podemos esperar mais 35 anos".

... gostei profundamente da 'reflexão' que aqui poisaste, 'Paulo - Intemporal'!

Justiça... - Os Homens dificilmente conseguem ser justos :(

______________ para 'reflexão'...

Um beijo,
... sensibilizada!