Monday, April 15, 2019

Agnès Varda & o Festival de Cinema de Cannes 2019






Agnès Varda
Affiche officielle
72e Festival International du Film de Cannes


Tout en haut
en équilibre.
Juchée sur un technicien impassible
Accrochée à une caméra qui paraît l'absorber.
Une jeune femme de 26 ans tourne son premier film.


E o primeiro filme de Agnès Varda, precursora da "Nouvelle Vague" francesa, foi
La Pointe Courte. Começou assim a sua carreira de cineasta em 1955. 

A realizadora belga, radicada em França desde a sua juventude, morreu no passado mês de Março. Esta a homenagem de um dos mais lendários festivais de cinema de culto. Festival de Cannes 2019. E um pouco a minha.

Varda gostava, de forma vibrante, das palavras, das imagens e das pessoas. Anunciou a nova vaga do cinema francês quatro anos antes de Os 400 Golpes, de  François Truffaut, cinco anos antes de O Acossado, de Jean-Luc Godard.





La Pointe Courte
Agnès Varda, 1955





Agnès Varda 1928-2019
crédits: Didier Doussin

Sete anos mais tarde, subia a escadaria do Palais du Festival de Cannes, 1962, para apresentar a sua segunda longa metragem, Cléo de 5 à 7.

Pioneira do movimento cinematográfico Nouvelle Vague, destacou-se, poucos anos depois da sua estreia com este filme que teve como título em português, Duas Horas na Vida de uma Mulher. Sempre estranhas, algumas traduções.






Em 1985, venceu o Leão de Ouro em Veneza por Sans Toi Ni Loincinco anos antes da morte do seu marido, Jacques Demy, também realizador.




Agnes Varda & Jacques Demy
Les Plages d'Agnès vence o César de Melhor Documentário em 2009, oito anos depois de ser distinguida com um Prémio Honorário na Cerimónia do Melhor Cinema Francês. 






Les Plages d'Agnès

Agnès Varda, 2008


O filme apresentado em Serralves, 2009, durante a 10ª Mostra do Cinema Francês, teve o cariz de homenagem à cineasta, numa Conversa no Auditório. Contou com a presença especial de Manoel de Oliveira.




The beaches of Agnès
Agnès Varda, 2008

Em 2018, a Academia de Hollywood atribuiu-lhe o Oscar Honorary Award, no mesmo ano em que foi nomeada pela primeira vez para essa distinção, com Olhares Lugares/ Faces PlacesA sua obra estende-se por mais de 35 filmes.







O documentário Olhares Lugares/Visages Villages em colaboração com o artista francês JR, é um encontro de duas artes, percorrendo as pequenas aldeias francesas, conversando com os habitantes locais, aprendendo suas histórias e produzindo retratos épicos em casas, celeiros, lojas e comboios.






Visages, villages, tribulation poétique sur les routes de France de la réalisatrice Agnès Varda et de l'artiste JR, a remporté l'Oeil d'or du meilleur documentaire au Festival de Cannes, à la veille du palmarès." (mars 2017)

"Le jury a été (...) touché au coeur par ce film qui conte la considération de l'Autre à travers l'art", 

Sandrine Bonnaire, présidente, actrice française 

Dans ce documentaire présenté hors compétition, le tandem sillonne les routes de France à bord d'un camion photographique, allant à la rencontre d'habitants de villages délaissés.





Varda par Agnès
Agnès Varda, 2019

Em Fevereiro de 2019, no Festival de Berlim, apresentou Varda par Agnès, derradeira prova das inesgotáveis vidas de uma fotógrafa, da cineasta que inventou a sua nouvelle vague, uma das poucas mulheres que se destacou num universo e num meio masculinos - anos 60 do cinema francês. 







Visages Villages (2017) foi assim o seu penúltimo filme. Varda par Agnès, apresentado na Berlinale 2019, foi o seu último filme. Transmitido como documentário na televisão francesa. Não sei se passará pelas salas de cinema.





Agnès Varda durante a Cerimónia Câmara Award 
69th Berlinale International
créditos: Getty Images
via Times

Nasceu em Bruxelas no dia 30 de Maio de 1928, filha de pai grego e mãe francesa. Mudou-se para Paris para estudar fotografia. Fez-se cineasta e vanguardista da Nouvelle Vague do cinema francês.




Agnès Varda directs La Pointe Courte, 1954
via

O site oficial dos Academy Awards faz-lhe uma bela homenagem Agnes Varda que aconselho vivamente, se quer conhecer melhor a cineasta. 

Também o Festival Internacional du Film de Cannes a homenageia em Agnès Varda nous a quitté.

É com a bela imagem de Agnès Varda, aos 26 anos, que hoje foi anunciado o poster oficial da 72ª Cerimónia do Festival de Cannes 2019.


"Je ne suis pas une femme cinéaste. Je suis une cinéaste."


Agnès Varda



G-S


Fragmentos Culturais


15.04.2019

Copyright © 2019-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 

Monday, March 18, 2019

Leituras no Jardim : apontamentos de Primavera







Gentleman reading in the garden
credits: Carl Spitzweg

"A temperatura está primaveril, sabe bem estar na rua e apanhar a brisa sobre o rosto e sentir os cabelos que, ao de leve, estão vivos. Estou sentada na esplanada do outro lado do jardim contrário ao ponto onde se encontra o cedro e, no seu regaço, um banco que sempre tem alguém sentado. Ou quase sempre. 

Ao longo de gerações e gerações, sentaram-se nele velhos e novos, crianças e jovens, anónimos e conhecidos. Reclinados num cais de águas paradas, sonharam poetas e navegadores, marinheiros e doutores, almas apaixonadas e guerreiras, sábios e conhecedores de coisa nenhuma. 

Neste momento, não está ninguém lá sentado e, no entanto, posso jurar que ainda há pouco tempo lá vi ser escrito um dos mais belos poemas em língua portuguesa e pensados um dos mais profundos pensamentos que nos fizeram prosseguir, quero dizer, continuar na arte dos descobrimentos, do que é, do que significa ser português. 

Sim, porque o significado mais simples "aquele que nasceu em Portugal", não é o mais verdadeiro. dizem os entendidos..."


Agostinho da Silva, O Português dos 3 M

in conto juvenil Fátima Murta

Gosto de literatura juvenil. Nela encontramos, tantas vezes, ensinamentos ou pequenas passagens poéticas que nos levam a reflectir.

E foi assim que li este pequeno e encantador excerto que transmite muito da filosofia empírica de Agostinho da Silva.


G-S

Fragmentos Culturais

18.03.2019
Copyright © 2019-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 

Sunday, February 17, 2019

Vêm aí os Oscars ! Filmes a não perder !






credits: Oscars 2019
https://oscar.go.com/

Estão aí os Oscars! Depois dos Golden Globes e dos Bafta, eis que surgem os Oscars e a sua 91ª Cerimónia no próximo domingo, 24 Fevereiro 2019.




Glen Close/ Lady Gaga/ Rami Malek
Golden Globes 2019

Filmes? Já alguns foram galardoados, bem como actores e actrizes. Vi os três filmes em que estes actores aparecem como intérpretes principaisThe Wife (2017); A Star is Born (2018) e Bohemian Rhapsody, (2019).






Destaco sem hesitação Rami Malek em Bohemian Rhapsody - fabuloso! A reincarnação de Freddie Mercury. E Glen Close em The Wife. Lady Gaga, à altura da sua fama como pop star. Sem dúvida. É fabulosa. Como actriz, nem tanto.





A Star is Born
Bradley Cooper, 2018

Por muito que se critique a veracidade ou não de alguns factos em Bohemian Rhapsody, ninguém pode negar a a autenticidade da interpretação de Rami Malek! É como ter de novo Fred Mercury à nossa frente e assistir a um dos concertos dos Queen.  Sim, o filme é quase um concerto dos Queen. Para quem gosta desta banda. Eu gosto. Mas Com Freddie Mercury.







Outros foram esquecidos. Filmes sem nomeações. Destaco sem qualquer sombra de dúvida Ben is Back (2018) com Julia Robert e Lucas Hedges (19 anos). Interpretações inesquecíveis, intensas, autênticas. Uma falha nas nomeações de todas as cerimónias.

"Peter Hedges has crafted a juicy role for his Oscar-nominated son Lucas as a young addict who skips rehab for the holidays, but it's Julia Roberts’ performance as his worried-sick mother that steals the show."

Peter Debruge, Variety






Fez parte da selecção oficial do Toronto International Film Festival 2018. Um drama que Peter Hedges escolhe desenrolar em 24 horas, intensificando a tensão e o desafio difícil para um contador de histórias.

Para quem gosta de cinema, esta é uma das sugestões que deixo. E que não faz parte dos Oscars

Deixo então outras sugestões de cariz pessoal, ressalvo.

Gosto de filmes baseados em factos reais, independentemente de serem ou não 'romanceados'. Um realizador é sempre um leitor, e como tal um contador de histórias. Então, sugiro quatro filmes:





The Mule
Clint Eastwood, 2018

Correio de Droga (The Mule, 2018) de e com Clint Eastwood. Baseado história verdadeira sobre o cartel de drogas dos anos 90. O Correio (mule em inglês) era Leo Sharp, 87 anos, veterano da Segunda Guerra Mundial, condecorado com Medalha de Bronze, um herói nacional e um horticultor internacional galardoado. De um momento para o outro, viu-se numa 'profissão' que não era a sua, para satisfazer algumas necessidades pessoais e familiares.

Clint Eastwood em grande forma aos 88 anos. Intérprete e realizador, um drama intenso e perturbante. Um subtil retrato também das zonas mais esquecidas da América profunda. Como sempre, uma banda sonora óptima em que predomina o jazz.
Como é possível esquecer Correio da Droga em qualquer um dos grandes prémios? Clint Eastwood é Clint Eastwood!
"Clint Eastwood's Directing Style and His Classic Cartoon Impersonation."
"Um grande come-back de Clint Eastwood, na história de um homem no caminho da redenção."
Luís Miguel Oliveira, Ípsilon
"Eastwood treats Sharp as a sort of antihero, a regret-stricken man struggling to get out of the business, caught while making one last run."

New York Times




Green Book
Peter Farrelly, 2018

Com base numa amizade verdadeira e uma banda sonora fabulosa, jazz e um pouco de clássica, Green Book, já galardoado, está na corrida para os Oscars  nas categorias de Melhor Filme e Melhores Actores. já recebeu o National Board of Review award de Melhor Filme do Ano e o People’s Choice Award no Toronto Film Festival.

Realizado por Peter Farrelly, Green Book tem como actores Mahershala Ali e Viggo Mortensen nas personagens de pianista afro-americano - Don Shirley - e seu motorista/guarda-costas italiano-americano, viajando em tournée, pelo sul da América ainda sob a lei do apartheid. Green Book era o livro-guia considerado essencial para viajantes afro-americanos nos estados do Sul dos EUA durante a era de Jim Crow






Pintor e cineasta, Julian Schnabel, o mesmo do belíssimo filme O Escafandro e a Borboleta (2007)assina À Porta da Eternidade - At Eternity's Gate (2018) - evocação da tragédia íntima de Vincent van Gogh, particularmente os seus anos finais. Um dos meus pintores mais queridos.

Willem Dafoe, também ele um dos meus favoritos, tem neste filme mais uma das suas grandes interpretações como Van Gogh. Está na corrida para o Oscar de Melhor Actor. Imprescindível!




Vice
Adam McKay, 2018

Ah! Também na corrida de Melhor Filme e Melhor Actor está Vice e seu grande protagonista Christian Bayle, este eleito Melhor Actor nos Golden GlobesFilme com numerosos prémios. E oito nomeações para  91st Academy Awards

Vi ontem. A história real de Dick Chain que exerceu grande poder como Vice-Presidente de George W. Bush e alterou, na sombra, o pais e o mundo, de um modo que ainda hoje nos afecta.

Em laia de documentário político-histórico, apresenta quase no final imagens reais de grande crueldade. Muitas delas muito dramáticas.

Christian Bale! Um dos melhores actores da actualidade. Já nos habituou.

Filmes que ainda não vi: Roma, The Favourite, Mary Queen of Scots

Vamos aguardar a cerimónia dos Oscars e ver o que ela nos reserva!

G-S

Fragmentos Culturais 

17.02.2019
Copyright © 2019-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 


Tuesday, January 1, 2019

Novo Ano, outras preces !





crédits: © Pinterest / trouvé sur Bloglovin

Manhã primeira. Novo Ano. Uritual ancestral que faz renascer um nova esperança. Algo de novo. Abrimos à renovação de outras caminhadas, esperançados pelo dia luminoso de Sol que deslumbra a natureza.

Ontem. Meia-noite, doze badaladas, dozes uvas passas. E cada uva passa, um desejo em forma de prece intimista.
Preces de agradecimento, coisas boas que nos deu 2018. Saúde, alegrias. Deixámos lá atrás, coisas menos boas. Para entrar positivamente.

E preces de outras que queremos alcançar. 

E pensamos nos que sofrem, que choram, num mundo atravessado de coisas menos boas.

Somos pequenas partículas num mundo que se move ao sabor da harmonia e desarmonia.

Que os nossos sonhos sejam leve briza no aconchego da esperança. Que nunca se perca esse imenso dom do ser humano. Sonhar! Sonhar um mundo mais harmonioso.

Neste Novo Ano, possamos nós olhar mais o mundo.

Relevemos as coisas simples da vida. 

"Não pedi coisas demais para não confundir Deus que à meia-noite de ano novo está tão ocupado."

Clarice Lispector

G-S

01.01.2019
Copyright © 2019-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®