Sunday, November 4, 2018

Voltando ao cinema : Norman





Norman
The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer 
Joseph Cedar, 2016

Gosto de filmes simples. Gosto de filmes que retratam a essência das personagens, baseadas em factos verídicos ou coisas da vida. 

Filmes em que a história desfila sem sucesso de bilheteira. Uma história simples, humana. Fui vê-lo talvez no Inverno passado (2017). Exibido em pouco mais de uma semana. Talvez tenham perdido.

Em Norman, um filme do realizador americano, de ascendência israelita Joseph Cedar, Richard Gere interpreta a personagem Norman Oppenheimer, um tagarela nato nova-iorquino cujo olhar está sempre numa oportunidade de convencer alguém a segui-lo nas suas ideias financeiras.



Norman
The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer
Joseph Cedar, 2016

Um dos meus actores preferidos é Richard Gere. Pelo empenhamento que tem há muitos anos na causa tibetana. Por ser budista. Por enfrentar o envelhecimento com naturalidade, modéstia e charme. E por que considero que se tornou um excelente actor. 




Richard Gere/ Norman
The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer
Joseph Cedar, 2016

Norman Oppenheimer (Richard Gere) é um homem solitário, discreto. Leva uma vida  à margem do poder, e do dinheiro de Nova York.

Norman Oppenheimer, vive em Manhattan. Bem vestido e bem falante, impregnado de sensibilidade e uma certa malícia de Richard Gere.

Sonha em fazer grandes negócios com milionários, mas todos lhe fecham a porta na cara. Um sonhador!


Um improvável operador sonhando com esquemas financeiros que nunca se tornam realidade.




Norman
Norman: The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer 
Joseph Cedar,2016

"Richard Gere plays the title character, an aging New York gadfly whose eye is always on the main chance."

Ann Hornaday, The Washington Post

Sempre na busca de alguém disposto a dar-lhe atenção, percorre diariamente as ruas de Nova Iorque, até ao dia em que se cruza com Micha Eshel (Lior Ashkenazi), um carismático político israelita, numa fase má da sua carreira. Daí, vai nascer uma amizade.

Porém, três anos mais tarde, Eshel torna-se um influente líder mundial. Durante algum tempo a vida de Norman vira o sonho que ele sempre quis alcançar. Mas, passado algum tempo, a desilusão bate-lhe em cheio. Tremenda. Assistimos assim, à ascensão e queda de Norman.






Tal com Kevin Costner, Gere está fazendo uma transição graciosa, gratificante de galã dos anos 80 para o actor de carácter venerável. 

Aqui, ele exibe imagem semelhante à do elegante banqueiro de investimentos no thriller FraudeArbitrage (2012), dando a Norman a expressão ávida e faminta de uma vida durável, mas também com alma e vulnerabilidade.

Há críticos que viram neste filme uma forte corrente política. Essa parte, não me seduziu tanto, embora os interesses políticos fossem, mais uma vez, bem retratados.




Micha Eshel/ Norman Oppenheimer
Norman The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer 
Joseph Cedar,2016

Prendi-me mais na personagem Norman Oppenheimer e nos sentimentos que vai desfiando ao longo do filme, bem como na excelente interpretação de Richard Gere.

Ashkenazi é tão simpático quanto um político, cuja noção de amizade é temporária e servindo seus interesses.





Alexandra (Alex) GreenCharlotte Gainsborough
Norman The Moderate Rise and Tragic Fall of a New York Fixer 
Joseph Cedar,2016

Um elenco de apoio bom que inclui Steve Buscemi, como o rabino de Norman, Josh Charles como um milionário indescritível e Charlotte Gainsbourg uma jovem mulher que Norman encontra numa viagem de comboio, regressando de uma conferência do lobby pró-Israel.

Cedar dá-nos uma fábula satírica com uma subtileza emocionante e uma clareza impressionante sobre os meandros da política e das pessoas que neles se cruzam. 

"Veteran sex symbol goes schlubby with tale of a modern ‘macher’ in over his head – and delivers one of his best performances to date."

Peter Stravers, RollingStone

G-S

Fragmentos Culturais

03.11.2011
Copyright © 2018-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 

Friday, October 19, 2018

Outubro Rosa




Sentimental
créditos: Sabine Pieper

Em todo o mundo decorrem acções de apoio a tão nobre causa! Pessoas, marcas, cidades juntam-se fazendo deste mês, Outubro Rosa.

O mês da luta contra o cancro da mama é uma campanha internacional anual, organizada pelas maiores associações de luta contra o cancro da mama que visa aumentar a informação e consciência da doença, angariar fundos para pesquisa, prevenção e cura. 


Esta campanha oferece também informação e apoio para todos os afectados pelo cancro da mama. 

Em Portugal, o Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama, dia 30 de Outubro, foi criado na sequência de uma Petição subscrita e entregue na Assembleia da República.

Em todo o mundo decorrem neste mês acções para apoiar tão nobre causa! Pessoas, marcas, cidades juntam-se fazendo Rosa este Outubro.

Outubro Rosa é, para mim, uma prece murmurada a uma mulher muito querida.




créditos Ester Lauder Campaign


O mar dos meus olhos

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma

E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma (...)


Sophia de Mello Breyner, O mar dos meus olhos
in Obra Poética


G-S

Fragmentos Culturais Outubro Rosa

19.10.2018
Copyright © 2018-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 

Monday, October 1, 2018

Dia Internacional da Música : Avec un brin de nostalgie !





Dia Internacional da Música : Selos comemorativos
Instrumentos musicais

Dia Internacional da Música celebra-se hoje. Sem música não poderíamos viver. Pelo menos uma grande parte de nós. Já escreviam os filósofos! Muitos escritores escreveram sobre a Música.

Mas, dia 1 de Outubro é especial! É o Dia Internacional da Música que se celebra todos os anos, desde 1975. Embora, a música seja algo que nos acompanha todos os dias.



Dia Internacional da Música : Selos comemorativos
O Dia Intl da Música foi instaurado em 1975 pelo Conselho internacional da Música (IMC), que foi fundado em 1949 pela UNESCO.

The IMC describes itself as the “world’s leading membership-based professional organisation dedicated to the promotion of the value of music in the lives of all peoples,” adding that its mission is to “develop sustainable music sectors worldwide, to create awareness about the value of music, to make music matter throughout the fabric of society, and to uphold basic music rights in all countries.”



 Dia Internacional da Música : Selos comemorativos
Instrumentos musicais: Cobres

A música tem um papel essencial na sociedade e constitui um forte vector de aproximação intercultural. Mais do que isso. A música é a expressão da nossa alma.

Mas com a instituição do Dia Internacional da Música pretende-se valorizar a sua importância e a importância dos músicos à escala mundial.

Promove também p valor social que o seu estatuo de linguagem universal lhe confere como factor de paz e de compreensão.



Dia Internacional da Música : Selos comemorativos
Instrumentos musicais: Madeiras

L‘APNU (UN Stamps) emitiu neste dia 1 de Outubro de 2018, três folhas de doze selos para celebrar o Dia International da Música. 

Os selos foram desenhados por Sergio Baradat (Nações Unidas) et ilustram os instrumentos musicais Cobres, Madeiras, Cordas e Percussões.

  

Dia Internacional da Música : Selos comemorativos
Instrumentos musicais: Percussões
https://unstamps.org/

Um modo diferente de festejar a Música. Através dos instrumentos musicais que provocam em nós tantas sensações de bem-estar, beleza estética, profundo silêncio interior embevecido pelo som que penetra cada um dos nossos sentidos e afectos.

Mas hoje, o Dia da Música trouxe-nos a tristeza, a nostalgia. Charles Aznavour morreu. 




Charles Aznavour [1924-2018]
créditos: Reuters


Até no dia da sua morte, Aznavour fica eternamente ligado à música. Neste Dia da Música influenciou com muita intensidade nossos sentimentos. 

Ele não é o 'Frank Sinatra of France'. Ele é muito mais! É a litania da nossa alma profunda que só ele sabe tocar. Com imensidão e nostalgia. 'Aznavour is the master of the chanson." É o master dos nossos sentimentos.






Bastou ler a notícia para que os nosso sentimentos despoletassem enormes sensações. Tristeza, saudade, amor, medo, alegria, serenidade. E muitos de nós ouviram-se a cantar versos das suas canções, de olhos marejados ou sorrisos ternos.

Les plaisirs démodés/ The old fashioned way. Oh! Quanta ternura colou em mim. E She. Ou Quand tu m'aimes...






Em setenta anos de carreira, Charles Aznavour, morre hoje no Dia Internacional da Música. Compôs mais  de 1 400 canções, cantou em várias línguas, e deu concertos em várias partes do mundo:

"Plus de soixante-dix ans de carrière, plus de quarante ans de succès, plus de 1 400 chansons, dont une centaine d’anthologie, six langues chantées, des milliers de concerts donnés dans quatre-vingt-deux pays, des salles compliquées, des music-halls, des galas chics. Carnegie Hall à New York, l’Albert Hall à Londres."

Le Monde








"Charles Aznavour fut d’abord acteur, ne cessa jamais de l’être, chantant Danse avec moi dos à la salle, la main posée sur son épaule comme s’il s’agissait de celle d’une femme ; mimant le travesti de Comme ils disent. Charles Aznavour, l’amoureux pudique et fier qui écrit : « Il faut savoir quitter la table/Lorsque l’amour est desservi/Sans s’accrocher l’air pitoyable », fut aussi un éclat de vie. "

Le Monde

Avec un brin de nostalgie.

G-S

Fragmentos Culturais

01.10.2018
Copyright © 2018-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 

Saturday, August 18, 2018

Aretha Franklin : Respect !







Aretha Franklin 1942-2018
creditos: Dimitrios Kambouris/Getty Images (US)

"Listening to Aretha Franklin, who died Thursday, was like listening to the embodiment of a divine signal. She received it and she broadcast it."

Amanda Petrusish, in NewYorker

A Diva da Soul morreu. O melhor tributo? Falar através das suas interpretações.

Entre as minhas cantoras favoritas, sempre estão Billie Holiday, Elis Regina, Amy Winehouse, Whitney Houston. E Aretha Franklin. Respeito!





Não são só cantoras, são intérpretes, dão vida própria ao que cantam. Vivem nas palavras.Deixam passar todo o seu ser pelas emoções que soltam nas suas interpretações. Sempre diferentes.





Aretha Franklin
credits: Michael Ochs / Getty Images

Além de um talento especial, são cantoras, melhor intérpretes que foram profundamente marcadas pelas suas histórias de vida. E que conseguiam fazer passar essas vivências sentidas nas suas vozes.

Um grupo de mulheres cantoras, com um voz singular, o talento, os afectos, as agruras. Presença carismática única, irrepetível, que enchia os palcos. E levava os espectadores às mais profundas emoções.




Tudo isto, reforçado ou marcado por historias de vida únicas. No caso da Aretha Franklin, cantava desde a adolescência desde muito jovem, autodidacta no piano. Activista dos direitos dos negros, no tempo do apartheid, vítima de violência doméstica.

Tocava todos com as interpretações mais dispares. 




A sua interpretação no tema do filme Sweet November What I Did For Love é pungente. Adoro o filme. Não poderia deixar de relembrar o tema de despedida que continua a tocar-me imensamente.




Suponho que não haverá mais cantoras como ela. Ela encerra uma pléiade. Sem artefactos. Só Aretha e o piano. Respect, Aretha!





Aretha Franklin
credits: Nicholas Hunt/WireImage

"Music does a lot of things for a lot o people. It's transporting, for sure. It can take you right back, years back, to the very moment certain things happened in your life. It's uplifting, it's encouraging, it's strengthening."

Aretha Franklin

Respect, Aretha!


G-S

18.08.2018
Copyright © 2018-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®