Monday, April 30, 2012

Dia Internacional do Jazz 2012





"Jazz has been a force for positive social transformation throughout its history, and it remains so today. This is why UNESCO created International Jazz Day."

Irina Bokova, mensagem

Pela primeira vez, a UNESCO e o mundo celebraram hoje, dia 30 Abril 2012 o Dia Mundial do Jazz. Um estilo de música, segundo palavras da Directora Geral da UNESCO, que pode "derrubar barreiras e simboliza a paz".

Em Novembro 2011, durante a Conferência Geral da UNESCO, a comunidade internacional proclamou 30 Abril como International Jazz Day.



Herbie Hancock UNESCO UNESCO Goodwill Ambassador

Por proposta do músico Herbie Hancock, embaixador da boa vontade da UNESCO, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO)  decretou assim 30 de Abril como o Dia Internacional do Jazz 



Irina Bokova & Herbie Hancock

"Por ter as suas raízes na escravatura, esta música fez crescer uma voz apaixonada contra todas as formas de opressão. Fala a linguagem da liberdade que é compreendida por todas as culturas. São também estes os objectivos que guiam a UNESCO nos seus esforços de construir pontes dialogantes entre todas as culturas e sociedades"



Dee Dee Bridgewater
UNESCO Paris

Apesar das celebrações serem oficialmente a 30 Abril, na passada sexta-ferira 27 Abril, realizaram-se em Paris (sede da UNESCO) várias iniciativas em que  participaram, entre outros, Herbie Hancock, Barbara Hendricks e Wynton Marsalis.

O programa na UNESCO HQ incluíu "open master classes" com músicos de  renome do jazz internacional, "scat improvisational classes" para jovens estudantes, concertos, conferências, debates, e um grande concerto no final do dia.






Hoje, Herbie Hancock deu um concerto no Congo Square, Nova Orleães, cidade considerada um dos berços do jazz. 

Na sede das Nações Unidas, ao final do dia, estiveram em concerto live stream Dee Dee Bridgewater, Diane Reeves, Esperanza Spalding, Angelique Kidjo, e muitos outros nomes do jazz. O evento foi apresentado por Morgan Freedom, Robert DeNiro, Quincy Jones e Michael Douglas.

Em Portugal, houve certamente várias iniciativas por todo o país, assinalando o primeiro Dia Internacional do Jazz, já que somos um país com enormes referências na música de jazz, e músicos de incontestável valor. 

 
Mas o evento teve uma maior representação em Lisboa, especialmente a cargo do Hot Clube Portugal que propôs uma maratona de jazz das 13:00 às 22:00 horas, em vários sítios da cidade. 
No Porto, o evento quase passou despercebido, o que me espanta, dado haver escolas conceituadas de jazz e uma grande tradição de concertos de jazz.
Assim, só o Tribeca Jazz Club organizou uma "jam session" com músicos habituais que passaram pelo clube ao longo do ano.
Também Jazz Stew, o alter-ego do 'DJ' Paulo Santos Rodrigo animou dois espaços públicos, no sábado dia 28, passando swing e funk, durante a tarde, no centro comercial Península e à noite no Café Au Lait.

Mas! E a Casa da Música? Deixar passar uma data tão marcante sem um único concerto dedicado ao Jazz!

 


Foi com muita alegria que voltei ao meu espaço de amplos prazeres culturais, já liberta da maledicência de um hacker

E logo para falar de jazz! Uma das minhas paixões! Um pouco tardiamente, é certo, mas o importante é mesmo assinalar.

Como compreendem, também me inibi de visitar os espaços amigos, para evitar qualquer spam ou contaminação.


Amanhã, recomeçarei a responder aos amistosos comentários aqui deixados pelos mais fiéis leitores a quem agradeço, muito sensibilizada, o apoio ao longo de quase duas semanas de silêncios.

 
"It speaks a language of freedom that is meaningful to all cultures. (...) Jazz connects people, cultures and the world. This is our message."

Irina Bokova, Director General Unesco

 
G-S

Fragmentos Culturais
30.04.2012
Copyright © 2012-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Licença Creative Commons

Sunday, April 22, 2012

One Day on Earth: estreia mundial





One Day on Earth foi o apelo lançado em 11.11.2011 solicitando às pessoas de todo o mundo que partilhassem gravações de seus países durante 24 horas. Divulguei este projecto em Tempo de um olhar. Lembram?


E ficou prometido pelo realizador desta aventura sem fim que em Fevereiro 2012  o filme, compilando todos os documentários criados a nível mundial, pecorreria o planeta. Também nessa postagem, divulguei o trailer inicial.


Pois bem! Chegou o dia! Hoje, Dia da Terra, 22 Abril 2012, o filme One Day on Earth está a ser divulgado simultâneamente em todo o mundo. 





Milhares de pessoas oriundas dos mais diversos recônditos do planeta participaram neste extraordinário documentário. Produzido por Brandon Litman que, das 3 mil horas de filme recebidas, produziu o documentário final sobre a Humanidade (duração de 104 minutos).

Em Portugal, segundo pude averiguar, será exibido nas cidades de Lisboa, Coimbra e Braga. Não sei por que razão a cidade do Porto não aderiu a este fantástico evento.

De qualquer modo, para os que habitam nas cidades acima mencionadas, poderão consultar aqui os locais onde One Day on Earth poderá ser visto.


A espantosa realidade das coisas 
É a minha descoberta de todos os dias. 
Cada coisa é o que é, 
E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra, 
E quanto isso me basta.
 
Basta existir para se ser completo.(...)

Alberto Caeiro, A Espantosa Realidade das Coisas
in Poemas Inconjuntos, 
Poesia, Assírio & Alvim, ed. Fernando Cabral Martins, Richard Zenith, 2001


Dia da Terra lindo! 

G-S

Fragmentos Culturais

22.04.2012
Copyright © 2012-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

* Tive muita dificuldade em aceder ao meu blogue. Não sei por que razão um hacker divulgou uma mensagem perniciosa, alegando que Fragmentos Culturais divulga "programas maliciosos", aquilo que denomina "sofware malicioso". Enfim, a cada um sua consciência! 


Não há dúvida que a maldade não tem limites. Valha-nos a consciência da partilha de fragmentos culturais "sem malícia". 


A todos agradeço a confiança e a amizade.

Sunday, April 15, 2012

Voltando ao cinema






Intouchables



Como gosto muito de cinema, voltemos a falar de cinema. Sugestões bem distintas. Vejamos.

Estava já atenta. Ouvira falar de Intouchables durante os Cesar 2012 com a atribuição do prémio de Meilleur Acteur  a Omar Sy. Depois disso, o sucesso tem acompanhado o filme em França e muitos outros países. Os americanos compraram os direitos de autor para fazer um remake! Não é uma boa ideia!

O que mais me atraía?  O facto de ser baseado numa história verídica. Gosto de factos da vida. E gosto muito de François Cluzet. Excelente actor.




Traduzido como Amigos Improváveis, o filme conta a amizade entre um tetraplégico (François Cluzet) e um jovem marginal senegalês (Omar Sy) oriundo dos desafortunados subúrbios parisienses que se vê contratado, como que por um golpe de sorte, para cuidar do milionário paralisado. 

Realizado  por Eric Toledano  e Olivier Nakache venceu o 'Grande Prémio Sakura' do Festival de Cinema de Tóquio.

Numa entrevista, os realizadores afirmaram pretender mostrar neste filme os dois lados da fragilidade humana, a fragilidade física e a fragilidade social, conferindo-lhe um excelente sentimento de entreajuda. Resultado? Uma comédia dramática que nos desvenda o lado positivo da vida e que nos vai arrancando excelentes gargalhadas salpicadas de muita ternura.




War Horse
Steven Spielberg, 2011

Mais um filme sobre a força da amizade. Desta vez, a amizade e lealdade, abordadas entre o jovem Albert e o seu cavalo 'Joey'. E baseado num livro. Facto que sempre relevo.



War Horse
Michael Morpurgo, 1982


Cavalo de Guerra (War Horseexplora o tema de uma forma belíssima, naquele jeito que só Steve Spielberg consegue imprimir, transformando a adaptação de um livro homónimo 'Cavalo de Guerra' de Michael Morpurgo (1982) numa verdadeira fábula cinematográfica. 




Sim, uma fábula épica com seis nomeações nos Oscar 2012 uma delas a de 'Melhor Filme'. Valores como lealdade, tenacidade, esperança são ambientados em belíssima panorâmica de uma Europa rural e bucólica,  inserida no cenário caótico da Iª Guerra Mundial. 

Forçados a separar-se, o filme acompanha a jornada de 'Joey' na guerra até ao  improvável reencontro com o seu jovem amigo Albert

Spielberg tem como verdadeiro propósito, neste seu último filme, colocar em evidência ideais simples como bravura e amizade e uma forte sentimento anti-guerra que deixa transparecer em muitos dos diálogos e agumas cenas. 


Magnífica banda sonora de 
John Williams, companheiro de Spielberg há quase 40 anos.

War Horse is a "Genuine Movie Masterpiece

Rex Reed, The New York Observer 




Shame
Steve McQueen, 2011
http://www.imdb.com/

Vergonha (Shame), último filme de Steve McQueen, o artista plástico que deu o salto para o cinema com Hunger (2010) e agora Shame, tem Michael Fassbender de novo como actor.

Esta interpretação de Brandon, um nova-iorquino viciado em sexo que parece quebrar-se pelo próprio vício, valeu-lhe prémios e elogios mas, acima de tudo, parece confirmar Fassbender como um actor fora do comum.  




Michael Fassbender
Getty Images

Fassbender tem-se desdobrado em papéis cada vez mais arriscados e diversificados, física e intelectualmente. 

Gostei profundamente da sua interpretação como Carl Young em A Dangerous Method de David Cronemberg.

Vergonha foi muito bem recebido na maior parte dos Festivais de Cinema em que foi exibido. Recebeu distinções como a 'Taça Volpi' para 'Melhor Actor' na última edição do Festival de Veneza 2011, os prémios de 'Melhor Actor' e 'Melhor Realizador' no Seville European Film Festival, entre outras nomeações em competições importantes. 

A Academia ignorou-o e não foi nomeado para os Oscar 2012. Compreensível! Demasiado ousado. Um retrato forte. Trágico.






Poucos deram importância à tocante interpretação de Carey Mulligan no papel dramático da irmã suicida de Brandon. A sua versão de New York New York é das mais belas que já ouvi.



G-S

Fragmentos Culturais

15.04.2012
Copyright © 2012-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Licença Creative Commons

Saturday, April 7, 2012

Tempo de Páscoa




Foto: arirao



Depois do Inverno, morte figurada,
A Primavera,
uma assunção de flores.
A vida Renascida
E celebrada
Num festival de pétalas e cores.


Miguel Torga, Glória, Abril de 1985 - diário XIV



G-S


Fragmentos Culturais


06.04.2012
Copyright © 2012-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®