Wednesday, August 5, 2015

Ideias frescas . Ler na praia





Praia da Tocha

Há uns anos, de volta do Buçaco, passe por Cantanhede. E foi aí que descobri a Praia da Tocha. Não conhecia. E adorei.

Areal extenso, fina areia, quase branca, limpa, e um mar tranquilo. Pelo menos naquele dia. O Sol, aquela hora batia em cheio na água, dando-lhe um brilho cinza-prata que tanto gostamos de admirar. O olhar se acalma e permanece extasiado. Respira-se. 

Ficámos alguma horas, enaltecendo, fruindo daquele imenso mar. A tarde estava tranquila, embora em época balnear, e o bem estar fez-se sentir na languidão do sol que batia em nós e nos transmitia um calor gostoso. Faz bem à alma e ao espírito. Um dia solto de verão.



Praia da Tocha, Cantanhede

Não voltei lá, mas ao ver esta imagem de uma biblioteca de praia em cima do areal da praia da Tocha, tudo se fez presente.

Ideia original, quase rara, mas de grande criatividade. Só quem gosta muito de livros se lembraria de colocar uma biblioteca na praia. 

Pois bem, ontem ao passar os olhos pela imprensa digital, como faço todas as manhãs, passei por este artigo do Expresso. E a ideia genial de disponibilizar livros em várias praias de país é de louvar.



Praia de Matosinhos

A secção em que estava inserido o artigo não tinha muito a ver com livros, mas a imagem que sobressaiu, prendeu de imediato a minha atenção. 

O poder da imagem! Poderíamos ficar aqui a divagar. Mas não. A imagem foi o despoletar para a descoberta roteiro encantador. Sim, porque se trata de um roteiro. Mas um roteiro bem cultural, ligado a livros e bibliotecas nas praias do nosso país. 



Praia Melides, Grândola

"Depois de colocar o protector solar e entre dois mergulhos, a leitura pode e deve fazer parte de um dia de praia. Nos areais de Portugal pode encontrar diversas bibliotecas e até um frigorífico transformado em espaço de crossbooking."

Querem melhor convite? Bem, eu sou daquelas pessoas que não vai à praia sem um livro na cesta, juntamente com a tolha e o bronzeador.

Mas se passasse por uma destas praias, não ficaria de modo nenhum indiferente a esta iniciativa cultural.



Biblioteca da Praia Torre, Oeiras

Estas iniciativas que se estendem de norte, Póvoa de Varzim, - já nossa conhecida, muito ligada aos livros, quer com Correntes d'Escritas, em Fevereiro, quer com a Feira do Livro, em Agosto. Este ano com a temática "Onde as leituras cheiram a mar" - centro, até ao sul, Albufeira, e vão até meados de Agosto ou Setembro.

É só consultar o roteiro aqui se está de férias em uma destas praias, ou se parte na segunda quinzena do mês.



Bliblioteca Chiado Editora, Torel

Pode e deve aproveitar as diversas bibliotecas, espalhadas pelas praias portuguesas, durante o verão.

Ler na praia! É algo que gosto muito de fazer. Deitada sobre o areal, ou sentada de frente para o mar, há sempre momentos que despertamos para outros paisagens, outros rostos, outras realidades. Este ano, o meu livro de praia é de Alice Munro "Amada Vida". 


Alice Munro | Amada Vida
Relógio d'Agua

Se bem se lembram Alice Munro foi Prémio Nobel da Literatura em 2013. Um estilo delicado, histórias de vidas comuns, contadas com sofiticada sensilibildade. Um registo leve que aprecio para leituras de verão. 


Pois bem, apesar das sugestões do roteiro, não perca o bom gesto de levar o seu livro na cesta, como eu, ou debaixo do braço, se prefere um jornal ou revista. 

Dê preferência aos livros. Acredite. São companhias mais inteiras, que nos absorvem, nos levam a viajar, mesmo que estendidos no areal, com o mar em fundo. Cenário melhor?

Eu hontem passei o dia 
Ouvindo o que o mar dizia. 
(...)

Depois, para se alegrar, 
Ergueu-se, e bailando, e rindo, 
Poz-se a cantar 
Um canto molhádo e lindo. 
(...)

E os poetas a cantar 
São echos da voz do mar! 

António Botto, Passei o dia, ouvindo o que o mar dizia
in 'Canções' 

G-S

Fragmentos Culturais
(em tempo de férias)

05.08.2015
Copyright © 2015-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

4 comments:

aflores said...

Há praias que exercem em nós (os que gostam) um fascínio enorme. Este ano já andei pela costa alentejana e adorei.
No regresso parei na Foz do Arelho, e foi lá que também vi pela primeira vez uma biblioteca na praia, uma iniciativa de aplaudir e usufruir, sempre.

Por aqui vou passando, com imenso prazer e vontade de aprender. ;) :)

Tudo de bom.

heretico said...

uma aragem leve e o perfume da maresia a adornar teu belíssimo texto
saudades de "ver" no tic-tac de meu relógio

boa continuação de férias

beijo

G- Souto said...

Há alguns anos que não passo pela costa alentejana... muito menos algarvia. Mas o que tenho na lembrança são essas esplêndidas praias do Alentejo. Alguma semelhança com as praias do norte, pelos seus extensos areais.

Foz do Arelho voltei lá há dois anos. Já na altura tinha uma biblioteca de praia, suponho eu. E pequenas esplanadas sobre o mar. Deliciosas! Gostei imenso de lá passar uma tarde. Regressámos em final de tarde, depois de assistir ao pôr-do-sol. Divino.

Muito obrigada, 'aflores' ! Fico muito feliz de saber que estás bem !

Tudo de bom !

G- Souto said...

Saudades também, 'Herético', passar pelo teu 'relógio' é um ritual de tantos anos!
Confesso que tenho andado um pouco distante. Perdoa. Mas não é só com os melhores amigos. Uma fase, talvez.

O texto foi inspirado pela beleza dos livros, da aragem perfumada da maresia que sempre contemplo e aspiro com um livro nas mãos ou poisado no areal, quando me deixo absorver, ao mesmo tempo, pelos raios solares.

Bem distantes, nestas duas semanas :-(

Férias sem sol e mar... tristeza.

Beijo