Sunday, August 16, 2015

Cinema : Jacques Tati, lembra ?




As Férias do Sr Hulot|Jacques Tati
ilustradora: Marta Monteiro


Ninguém diria que estamos no verão, em pleno mês de Agosto, com o tempo que se faz sentir há já duas semanas.

Não faço ideia como estarão as praias, nestes dias nevoierentos, com alguma chuva. Tristes certamente. Sem vida. Só mar e bruma.

Preparemo-nos então para animar algumas tardes ou noites deste (quase) final de verão.

Jacques Tati. O nome diz-vos alguma coisa? Quem sabe, memórias difusas de um tempo que os nossos pais nos contavam. Outros terão mesmo tido acesso ao cinema dos anos 50, quer na época, quer posteriormente, em ciclos de cinema ou sessões nos cineclubes.

Pois bem! Jacques Tati está ai para ser admirado, e certamente com saudáveis gargalhadas. A filmografia em versão digital restaurada deste icónico realizador-actor do cinema francês será exibida, dentro de breves dias, em Lisboa e no Porto.

Medeia Filmes
Verão com Jacques Tati, assim se denomina a programação preparada pela Leopardo Filmes terá início nos próximos dias, e contará com as seis longa-metragens do realizador.


Jacques Tati O Meu Tio
ilustradora: Catarina Sobral

A retrospetiva começa no dia 20 de Agosto, no Espaço Nimas, em Lisboa, com o filme "Sim, Sr. Hulot” (1971). 

Serão ainda exibidos “Há Festa na Aldeia” (1949), “As Férias do Sr. Hulot” (1953), “O Meu Tio” (1958), “Playtime – Vida moderna” (1967) e “Parade“, o último filme, realizado em 1974 para a televisão sueca.



Playtime | Jacques Tati
ilustração João Moreira


O Espaço Nimas acolherá também uma exposição de seis cartazes, um de cada longa-metragem de Jacques Tati, reinterpretadas por ilustradores portugueses : André Letria, Marta Monteiro, Madalena Matoso, João Fazenda, Catarina Sobral e Sara-a-Dias, alter-ego de Sara Osório.





O público terá ainda a oportunidade de ver sete curtas-metragens, inéditas em Portugal, que o cineasta escreveu ou interpretou.


"Procura-se Brutamontes” (1934), de Charles Barrois, “Domingo Animado” (1935), de Jacques Berr, “Cuida do teu Gancho Esquerdo” (1936), de René Cleement, “A Escola de Carteiros” (1946), de Tati, “Aulas Nocturnas” (1967), de Nicoolas Ribowski, “Especialidade da Casa” (1976), de Sophie Tatischeff (filha, montadora, e assistente de Jacques Tati), e “Força, Bastia” (1978), realizada por Tati e pela filha Sophie Tatischeff.


Medeia Filmes
A 1 de Setembro, o ciclo chega ao Teatro Municipal Campo Alegre, no Porto. Confesso que me desanima o espaço. Um ciclo de Jacques Tati merecia passar pelo Teatro Rivoli.

Jacques Tati, de ascendência russa, francesa e holandesa, protagonizou todos os seus filmes numa personagem encantadora que a todos arrebatou, no seu tempo.




Há Festa na Aldeia | Jacques Tati
ilustração Sara Dias

Se em “Há Festa na aldeia” personificava o distraído carteiro François, nas restantes longas-metragens, exceptuando “Parade”, assume uma das mais conhecidas personagens, que se lhe colou à pele para sempre: o desconcertante Sr. Hulot, de chapéu, cachimbo e gabardine.




Les Vacances de M. Hulot, 1953

A primeira vez que Jacques Tati se filma como Sr. Hulot foi em “Les Vacances de M. Hulot” (1953). O filme foi exibido no Festival de Cannes e teve uma nomeação para os Oscars.





Mon Oncle | Jacques Tati

Seguiu-se a comédia “Mon Oncle" que lhe valeu o Oscar de "Melhor Filme Estrangeiro" em 1959.

Depois dos ambientes campestres, dos tempos de veraneio, e da vida familiar, Tati filmou a vida moderna numa grande cidade, Paris, em “Playtime” – um ícone do cinema, mas um fracasso de bilheteira, o que levou o realizador à falência -, e “Sim, Sr. Hulot”, sobre uma aventura nas autoestradas de França e da Bélgica.



Parade | Jacques Tati
ilustração : Madalena Matoso

Em “Parade”, o filme com que se despediu na década de 1970, Jacques Tati presta um tributo ao mundo do espetáculo e do circo. 

Jacques Tati morreu em 1982, vítima de uma pneumonia, deixando por concluir o projeto “Confusion”. 





Em 2010, o realizador Sylvain Chomet fez o filme de animação L'Illusionniste, partindo de um argumento biográfico escrito por Jacques Tati na década de 50, com referências a uma filha ilegítima do cineasta. “O Mágico” é uma homenagem às antigas formas de entretenimento ligadas ao circo: ilusionistas, ventríloquos, trapezistas e palhaços. Mas é mais do que isso. É uma homenagem ao cinema mudo, e ao grande Jacques Tati.

O filme? Sim, vi-o quando foi exibido em Portugal. Adorei. Suponho que todos os que tiveram o privilégio de ver esta poética animação, não esqueceram mais a mensagem deliciosa do gesto por omissão da palavra.


As cidades de Braga, Coimbra, Figueira da Foz e Setúbal também terão a oportunidade de ver algumas exibições.

Uma retrospectiva que nos traz memórias de Tati, emaranhadas nas de Charlie Chaplin, Buster Keaton.

"Entre os quadros de humor que ele constrói para nos divertir, há oportunidade para sonhar os sonhos dos nostálgicos, aqueles que encontram em coisas velhas e tristes parcelas de identidade do que um dia foram, mas também sabores e sensações que então eram novos e excitantes e agora estão esgotados."

Aurélio Moreira, in Público


G-S


Fragmentos Culturais


16.08.2015

Copyright © 2015-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®


6 comments:

heretico said...

amanhã no Nimas? não vou perder...

beijo

heretico said...

amanhã no Nimas? não vou perder...

beijo

manuela catarino said...

Voltando por aqui... encontro sempre tanto para encher o espírito!
Sempre atenta, "Fragmentos"!!!!
Como abeirar-mo-nos de um riacho e beber, as mãos em concha!!!!
Tenho tido muito pouco tempo para visitar condignamente o teu cantinho...mas, quando chego, é um imenso prazer!!!!!

E J. Tati uma imensa delícia!!!!! Cá em casa somos duplamente fãs!!!! E já levei para os meus "besouros" verem nas aulas!!!! Primeiro fizeram cara feia...mas depois ficaram deliciados! E como poderia ser o contrário??????!!!!!!
A rever sempre!!!!!
Tudo de bom!!!
Manela

G- Souto said...

Suponho que foste ao Nimas ver M. Hulot... uma delícia.

Beijo, Herético.

G- Souto said...

Mas que alegria, Manuela! Há tanto tempo... eu sei! Todos nós temos esmorecido em relação aos nossos espaços na blogosfera.

Há uma nova onda, mais virada para trivialidades que, no entanto, atrai actualmente mais leitores.

'Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades' já dizia o poeta. Ainda resisto. Embora com muito menos assiduidade, lá vou escrevinhando sobre 'fragmentos culturais'.

É verdade! Concordo contigo que Tati é uma delícia! Para mim, um poeta do gesto.

Acho que fizeste bem em introduzir Tati nas tuas actividades pedagógicas. Clássicos que podem fazer a diferença em momentos como esses.

Para ti, tudo de bom, também!
Beijos

G- Souto said...

Mas que alegria, Manuela! Há tanto tempo... eu sei! Todos nós temos esmorecido em relação aos nossos espaços na blogosfera.

Há uma nova onda, mais virada para trivialidades que, no entanto, atrai actualmente mais leitores.

'Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades' já dizia o poeta. Ainda resisto. Embora com muito menos assiduidade, lá vou escrevinhando sobre 'fragmentos culturais'.

É verdade! Concordo contigo que Tati é uma delícia! Para mim, um poeta do gesto.

Acho que fizeste bem em introduzir Tati nas tuas actividades pedagógicas. Clássicos que podem fazer a diferença em momentos como esses.

Para ti, tudo de bom, também!
Beijos