Wednesday, May 25, 2011

Betrand do Chiado, a mais antiga do mundo




Livraria Bertrand (Chiado)

A livraria Bertrand do Chiado, em Lisboa aberta desde 1732 foi considerada a livraria mais antiga do Mundo em funcionamento. O atestado, certificado pelo "Guinness Book of World Records", está desde o dia 20 de Abril 2011 patente no interior da loja, como se pode ver nesta fotografia


Bertrand (interior)
"Ao longo dos anos, a livraria Bertrand tem sido retiro de escritores e refúgio de revolucionários. As histórias são muitas, nomeadamente as que envolvem conspiradores republicanos. José Fontana (que se suicidou no interior da loja), Antero de Quental e Aquilino Ribeiro são alguns dos "fantasmas" cujas sombras permanecem vivas no interior da Bertrand."



Tinha lido a notícia, na altura, mas depois não tive tempo para falar da Bertrand! Até que hoje me deparei com este Manifesto Bertrand e não resisti!
A Bertrand é isso mesmo! Livros! E prazeres! Ao longo do tempo.
Foram descendo o Chiado. Do outro lado, os toldos das lojas estendiam no chão uma sombra forte e dentada. E Carlos reconhecia, encostados às mesmas portas, sujeitos que lá deixara havia dez anos, já assim encostados, já assim melancólicos. Tinham rugas, tinham brancas. Mas lá estacionavam ainda, apagados e murchos, rente das mesmas ombreiras, com colarinhos à moda. Depois, diante da Livraria Bertrand, Ega, rindo, tocou no braço de Carlos:
— Olha quem ali está, à porta do Baltreschi!(...)”
Eça de Queiroz in "Os Maias"



Paulo Oliveira, administrador do Grupo Bertrand Círculo, proprietário do espaço, disse à Lusa que a loja do Chiado irá continuar como livraria "por mais 300 anos", já que "representa um património cultural inalienável".
A Bertrand situada num centro comercial da cidade do Porto mudou-se para uma rua próxima! Mas perdeu muitos dos leitores mais assíduos. Num espaço intimista, pequeno, é certo, mas por isso mesmo, talvez, as pessoas, os professores da Universidade de Letras, ali tão perto, e os escritores gostavam de passar por lá em fins de tarde. 


Bertrand (Porto, 2006)

Era um espaço carismático. Lia-se, conversava-se, trocavam-se opiniões, compravam-se livros que os colaboradores, atentos, tinham o cuidado de separar, consoante o perfil dos seus leitores. E quando entrávamos, dirigiam-se a nós com dois ou três livros na mão e, delicadamente,  referiam que aguardavam a nossa passagem. É claro que não resistíamos. 
Nele me cruzei mais do que uma vez com Agustina Bessa Luís. Discreta, mas muito acessível e excelente interlocutora, palestrava com os seus leitores com tanta naturalidade que o tempo esvaía-se sem darmos por nada Tenho saudades do espaço, da atenção personalizada, das tertúlias entre escritores e amigos.
Recordo os lançamentos de livros, alguns colóquios, o espaço acolhedor forrado de livros, as tertúlias, os amigos, os conhecidos.
Daí concordar com a afirmação de Paulo Oliveira e cito: "a Bertrand, mais do que uma marca comercial, "simboliza a relação entre o leitor e o livro, em Portugal".


G-S

Fragmentos Culturais
25.05.2011
Copyright © 2011-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Licença Creative Commons

Créditos: vídeo Bertrand Livreiros

Referências:

Booktailors Blog (divulgação do vídeo)
Expresso (20.04.2011) 


Eça de Queiroz (excerto): O Único Planeta que Temos

12 comments:

pinguim said...

Também eu, quando aqui estudei na Universidade, "perdi" muito tempo deambulando pelas suas diferentes secções.
A Bertrand é um bocadinho de todos nós.

Isamar said...

Conheço razoavelmente bem a Bertrand do Chiado onde passava algumas horas mensais durante os anos em que estudei em Lisboa. Ali procurava bibliografia específica para o meu curso.Sentia-me num espaço íntimo,aconchegada por aqueles milhares de livros e pelos muitos leitores que diariamente a frequentavam, além de ser um espaço muito bem concebido sob o ponto de vista estético.Que nunca feche é o que espero porque seria decepar uma parte do corpo cultural da cidade.
Mais um belo post, lido com muito gosto, que faz do teu blogue também um espaço intimista da vasta blogosfera.

Bem-hajas, amiga!

Beijinhos

vitor cunha said...

Por motivos profissionais, vivi um ano, em Lisboa o que me permitiu conhecer a Bertrand, onde fiz regularmente aquisição de livros.Fiquei agora encantado, por saber, através do teu Blog que frequentei a livraria mais antiga do mundo! Fico-te grato pela informação que me permite ampliar os meus conhecimentos.
Aveiro possui, no Forum,uma loja da Bertrand que veio enriquecer a cultura na cidade; é de dimensão média mas satisfaz plenamente.
É sempre bom sabermos o que temos de valioso, para nos impedir de chorar aquilo que não temos.

Beijo

mfc said...

É bom sentir-se a história a par da qualidade!

Petrus Monte Real said...

Fui várias vezes à Bertrand do Chiado. Sempre encontrei o livro ou a revista de que precisava.
Sinto-a como um espaço agradável e acolhedor... e uma referência para quem gosta de livros.
Na minha cidade, actualmente, conto com duas livrarias da Bertrand, que considero uma fartura.
Grato pela partilha.
Gostei muito do comentário em "a partir da lua". É sempre um prazer, a sua visita, cara amiga!
Boa semana
Um beijo

Avelaneira Florida said...

Pois!!!! quantas tardes procurando as obras das listas de bibliografia...mas não era um cansaço!!! Antes pelo contrário.Porque na procura havia mil e uma descobertas...
Ás tantas já estava no romance, na ficção, na BD...e voltava à História..e descobria poesia...e...as tardes eram um prazer imenso!!!!!
E quando finalmente saía para o Chiado...tinha a minha Lisboa!!!!!
Que a Bertrand permaneça muitos e muitos anos! Já perdemos os Armazéns do Chiado,o velhinho Grandela, e o nosso coração já chorou q.b.

Beijinho, "Fragmentos"!!!!

Fragmentos Culturais said...

... deambular pela Bertrand não teve a ver com estudos.
Essa essa outra livraria, João.

A Bertrand para mim foi o meu espaço de prazeres: ler, encontrar escritores, conversar com amigos.

Sim, Bertrand tem um pouco de todos nós...

Fragmentos Culturais said...

Conheço muito bem a Bertrand do Chiado! Aos sábados à tarde, quando estava por Lisboa, passava horas lá folheando livros, comprando os que mais me tocavam, 'Isamar'. Gostava daqueles odores do papel, dos livros novos, das mesas pejadas de livros de autor.

Como referi anteriormente, em comentário-resposta a João, livros para estudo universitário era num outro espaço que os encontrávamos. Livros que vinham de fora.

Tens razão, a Bertrand tem esse aspecto íntimo, que a Betrand do Porto também tinha (o espaço já não existe). Era pequeno, mas os livros forravam as paredes de cima a baixo. E essa mística levava-me a passar por lá tantas vezes, em final de tarde, para encontrar refrigério para a alma!

Não creio que a Bertrand do Chiado alguma vez feche, depois de receber o galardão que recebeu!

Sempre muito afectuosa, querida amiga! E isso, sensibiliza-me! Muito obrigada!

Um beijo

Fragmentos Culturais said...

São recordações que nos ficam para sempre gravadas, Vítor!

A Bertrand do Chiado era roteiro obrigatório para todos os 'amantes' de livros.

Assim, não duvido que tenhas ficado encantado com a boa notícia.

Não tens que agradecer. Hoje passo-te uma informação, amanhã és tu que me passas uma outra. A partilha de saberes é a parte mais dinâmica e enriquecedora dos 'bloggers'!

Estou ansiosa por voltar a Aveiro. Há mais de cinco anos que não vou lá. Só passo no Alfa entre Porto-Lisboa.

Quando lá for, não esquecerei a tua indicação. Como vês...

Sim, nós temos coisas belíssimas! Olha a Livraria Lello! A 3ª mais bela do mundo! Quanta honra!

E tantas outras coisas que poderíamos enumerar!

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

... se é, 'mfc'! E enche-nos de orgulhoso!

Fragmentos Culturais said...

A Bertrand do Chiado é mesmo uma referência para os amadores de livros, caro 'Petrus'!

Quando passei pela sua cidade, não vai há muito tempo, tive uns minutos, em final de tarde, como sempre gosto, para visitar um desses espaços. E gostei muito! Comprei um livro! Não podia deixar de ser... não me inibo!

Muito sensibilizada pela amizade! A sua visita é-me sempre muito grata!

Um beijo

Fragmentos Culturais said...

Não há dúvida que a Betrand do Chiado liga-nos a quase todos! Com vivências diferentes, claro, 'Avelaneira'! Mas é um espaço de partilha cultural que se tornou num círculo!

Uma livraria nunca nos cansa... e as horas passam sem que demos por isso.
O tempo sem tempo!
E esse prazer imenso!

Estava em Lisboa, no ano desse fatídico e pavoroso incêndio :(

A Bertrand permanecerá para além dos tempos! Já dou provas!

Um beijo