Wednesday, May 5, 2010

Arte ! A infindável beleza






Nu au Plateau de Sculpteur (Nude, Green Leaves and Bust)

Picasso, 1932

Christie’s, Estate of Pablo Picasso/Artists Rights Society (ARS), New York



A obra que Picasso criou num só dia, em Março 1932! "Nu au Plateau de Sculpteur (Nude, Green Leaves and Bust)" foi vendida ontem, terça-feira, pela Christie's de Nova Iorque.

Representa Marie-Thérèse Walter, musa de Picasso durante um ano, apenas. O perfil do pintor pode ver-se delineado no fundo azul da tela.



L'Homme qui chavire
Giacometti (1950)

A obra de Picasso ultrapassou o recorde mundial de obras de arte que havia sido batido em Fevereiro, com a venda da escultura de Giacometti "Walking Man I".

1932 foi um ano de viragem na pintura do artista! Picasso começou então a criar luxuriantes telas de Marie-Thérèse que nada se pareciam com o que fizera até aquela altura. Telas grandes, sensuais. 

"Há quem persiga o poder, o dinheiro, a fama. Eu persigo a beleza. Não é uma escolha. É uma condenação. Sem beleza faleço. É um trabalho difícil, muitas vezes doloroso, cheio de revezes. 

(...)


Não são cores, imagens, sons, nem sequer a suave pele de uma mulher que me encantam. É o que está para além disso e que isso chama."


Pedro Paixão, Perseguição da Beleza




G-S

Fragmentos Culturais

05.05.2010

Copyright © 2010-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

fonte: New York Times/Arts

2 comments:

Ana said...

"Não são cores, imagens, sons, nem sequer a suave pele de uma mulher que me encantam. É o que está para além disso e que isso chama."
por acaso, a arte vai além das aparências ;)
Já agora e que tal o Miró, o Kandsinsky e o Arcimboldo na lista dos grandes? :P
bjo

Fragmentos Culturais said...

... a citação de Pedro Paixão assenta lindamente na subjectividade do conceito de arte, beleza, afectos... tudo o que está para além do olhar! E afinal, é quase tudo :)

Estas obras de Picasso e Giacometti ultrapassaram todos os montantes pagos, até à data, precisamente por essa 'perseguição' da beleza que passa muito pelo prazer do coleccionador de arte!

Pois, Ana... Kandinsky, Mirò, Arcimboldo! E por que não falar também de portugueses como Eduardo Luís, Julio Pomar...
(contemporâneos)

Na realidade, o pintor que continua a ter a cotação mais elevada é Van Gogh!

Gosto de debater os temas contigo. Dás-me alguma luta... e esse é prazer da blogosfera! Conversar, mesmo que seja virtualmente!

Boa semana!

Beijinhos**
(espero que a noite de ontem tem sido excelente)
;)