Sunday, July 3, 2011

Tributo: Jim Morrison




Doors



Jim Morrison

Julho 3 de 1971, Jim Morrison desapareceu. O mito esse não! 40 anos depois,  o mundo não esquece a voz dos Doors, o poeta, o músico, o homem.



Último diário e última foto conhecida de Jim Morrison 
REUTERS/Suzanne Plunkett

Em Paris, hoje dois concertos. Ray Manzareket (orgão) e Robby Krieger (guitarra), dois músicos da banda tocarão no Bataclan

Já não podem usar  o nome "Doors", mas continuam a interpretar "Riders on the storm", "Roadhouse", "Light my fire".

Os fãs de Jim Morrison têm ainda a oportunidade de escolher um outro concerto, esse em  La Cigale, um  tributo à banda britânica The Doors Alive.



When You're Strange
documentário

Eis o documentário sobre os Doors que tem marcado presença em reputados festivais de cinema (2010).




É o primeiro documentário acerca dos Doors constituido por imagens de arquivo totalmente inéditas. Narração de Johnny Depp e realizado por Tom DiCillo.

Dois interessantes artigos sobre Jim Morrison nos jornais (edição online) "Le Monde" e "Expresso":

"Quarante après sa mort, le mystère Jim Morrison reste entier" - Le Monde.fr | Culture 

" Jim Morrison continua vivo" (fotogaleria) - Expresso.pt | Actualidade 

E se quiser ouvir a banda sonora, pode fazê-lo aqui 

“I can state definitively that one of the things I do remember is buying THE DOORS first album the day it came out and then listening to it about ten or twelve times in a row.  Both sides.  Every song.  I’ve been a fan ever since.  This movie is the story of the band but it is also an insight into a moment in time that will never be repeated.”

Dick Wolf (producer)



G-S

Fragmentos Culturais

03.07.2011
Copyright © 2011-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Créditos: video When You're Strange

Licença Creative Commons


15 comments:

pinguim said...

4o anos. O tempo voa...

mfc said...

Lembrei-me de sopetão do Light my fire!!
Como o tempo corre, esse malandro!!

heretico said...

gsotei de recordar. aqui

bejos

Carlos Ramos said...

Gostaria de ter assistido ao Philip Glass, deve ter sido um grande concerto. Também grande e boa é a maneira como aqui se divulga a cultura. Muitos parabens.

Lilá(s) said...

Gostei de recordar...há anos visitei o cemitério do Père-Lachaise, e lá estava uma "multidão" de volta do local onde está sepultado, impressionante!
Bjs

mfc said...

Olá

Claro que podes utilizar todas as fotos minhas que desejares.
É um prazer.
Beijos.

vitor cunha said...

Há 40 anos, eu vivia um dos momentos mais conturbados da minha vida,por tal, não guardei na memória Jim Morrison. A leitura do teu blog levou-me à música dele e por isso, além de entender que os artistas não devem nunca ser esquecidos, porque Arte é tudo aquilo que vence o tempo e o esquecimento, estou-te mais uma vez grato, porque me guiaste até ele.
Beijo e bom fim de semana.

Fragmentos Culturais said...

Nem se sente, João!

Fragmentos Culturais said...

'Light my fire'... uma das minhas preferidas, 'mfc' :)

Fragmentos Culturais said...

... fico contente, 'Herético'!

Um beijo

Fragmentos Culturais said...

Foi, sem dúvida um 'grande' concerto, Carlos!
Uma memória muito especial! E grata... ao ouvir as palavras de Glass!

Sensibilizada pela presença amistosa! Foi um prazer!

Fragmentos Culturais said...

Sabe bem, 'Lilás(s)! É mesmo, continua a ser uma 'peregrinação' quase sagrada a Père Lachaise!
As gerações avançam, mas o mito é eterno.

Um beijo

Fragmentos Culturais said...

Muito obrigada, 'mfc' :)

Um beijo

Fragmentos Culturais said...

... pela segunda vez, aludes a momentos muito 'conturbados' da tua vida, Vítor!

Não sei... mas suponho que hoje estás bem! E isso tranquiliza-me.

Sou totalmente da tua opinião: '... Arte é tudo aquilo que vence o tempo e o esquecimento...'

Por isso, fiquei chocada ao ler que fora proibido dar o nome de Jim Morrison a uma ponte perto da sua terra natal :(

É sempre muito bom ler-te! Sinal que continuas bem!
Não tens que agradecer-me nada :)

Uma excelente semana!
Um beijo

Daniel C.da Silva (Lobinho) said...

E não podemos esquecer o álbum póstumo e mítico "An American Prayer", ou o filme com Val Kimer!

Um beijinho e bom ano... mesmo num post de Julho...