Monday, January 17, 2011

Re-Rite: be the Orchestra






"Imagine-se como um dos mais de 100 músicos da Philharmonia Orchestra que tocaram A Sagração da Primavera."


A Fundação Gulbenkian apresenta em parceria com o MUDE - Museu do Design e da Moda o projecto multimédia Re-Rite be the Orchestra. 

Esta instalação audiovisual interactiva é uma das mais originais experiências musicais da nova temporada da Gulbenkian. Parte da Sagração da Primavera de Igor Stravinsky para criar interacção com o público que pode tocar numa orquestra virtual.

"Igor Stravinsky tinha 30 anos quando escreveu A Sagração da Primavera. A estreia em Paris originou um tumulto na sala de concertos. Ritmos da Rússia pagã foram incorporados numa sofisticada música orquestral. A música erudita nunca mais foi a mesma."

A inauguração foi com o DJ Gabriel Prokofiev, neto do compositor Sergei Prokofiev. 

A sensação já é impressionante para quem toca habitualmente instrumentos! Mas então para quem nunca passou do lugar da assistência num concerto! 

O som e as imagens sobredimensionadas garantem uma dimensão excepcional à experiência. 



A gravação digital em 29 canais, em Alta Definição (HD), da Philharmonia Orchestra permite ao público dirigir, tocar e fazer parte de uma orquestra virtual.

Richard Slaney, coodenador, explica que em cada uma das salas há um computador que gere as imagens e a interacção com os visitantes e que todos estão ligados em rede. O flash é utilizado nos ecrãs touchscreen para que os "participantes" consigam controlar a música.



Mas se não pode deslocar-se a Lisboa até 23 Janeiro 2011, faça uma experiência virtual aqui! Só para ficar com um cheirinho divino!

É nestas coisas da cultura que se vê a diferença de viver em Lisboa...


G-S


Fragmentos Culturais
16.01.2011
Copyright © 2010-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®


Referências:


Re-Rite be the Orchestra

Fundação Calouste Gulbenkian

2 comments:

vitor cunha said...

"a diferença de viver , em Lisboa"
Imagina então e desigualdade entre quem vive em Lisboa ou mesmo quem vive longe do Porto!
As assimetrias culturais do País são tão grandes e a diferença de oportunidades é tão gritante que se pode dizer que há duas culturas. -uma cultura élitista, diversificada com residência, em Lisboa; outra cultura smi- saloia que faz viagem por algumas das restantes cidades itinerantemente!
Resume-se tudo àquela história que ocorreu na ex Emissora Nacional
em que um director da estação vendo que a verba que tinha não era suficiente para deslocar a respectiva orquestra sinfónica à Madeira, teve uma conversa com o director de orquestra sugerindo-lhe que reduzisse o número de músicos e os que fossem que tocassem mais alto! Já quase chegamos ao mesmo! Um beijo.

Fragmentos Culturais said...

... sei que deve ser tremenda Vítor! Por isso admiro quem vive em cidades longe de Lisboa ou Porto!

Eu teria muita dificuldade em permanecer, precisamente por este lado 'cultural' que alimenta minha memória estética' para além da profissão. E, no entanto, trabalho em algo que me dá muito prazer!

Considero que este é um dos aspectos mais positivos da Internet e das redes sociais: a partilha de cultura(s)

Concordo com a tua distinção entre as assimetrias culturais (e não só...) que são profundamente visíveis no país em que vivemos.

E, no entanto, isto se repete por essa Europa fora, melhor dizendo, mundo fora...

Não conhecia a história que relataste :(
... mas, tal como dizes. não devemos andar longe, de novo...

Boa semana!
Um beijo