Wednesday, December 15, 2010

Fragments - Marylin Monroe




Fragments, poems intimate notes & poems
Marylin Monroe

Marilyn já era um mito em vida! A sua morte prematura alimentou ainda mais esse mistério.

O livro Fragments, poems, intimate letters, letterslançado em Outubro pela  Farrar, Straus and Giroux, reúne uma colecção de escritos inéditos da estrela americana Marilyn Monroe. Guardados durante 48 anos pela viúva do director Lee Strasbergc: documentos, manuscritos, fotos, inéditos que preenchem 272 páginas.


Turquoise Marylin Monroe
Andy Warhol (1962)

Andy Warhol pintou várias versões de Marilyn Monroe, usando diferentes cores, tamanhos, e formatos. Baseou-se numa fotografia do último filme de Marylin e criou-o depois da morte da actriz, no mesmo ano. 

O, Time
Be Kind
Help this weary being
To forget what is sad to remember
Loose my loneliness,
Ease my mind,
While you eat my flesh.

Marylin Monroe (poetry)

Pergunto-me se estaria na vontade da actriz que esses documentos fossem divulgados...




Questões morais que poderiam ser levantadas.

G-S

Fragmentos Culturais

15.12.10
Copyright © 2010-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Licença Creative Commons

18 comments:

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa said...

É um grito desesperado e estilhaçado ao vento, de alguém que fez da solidão uma agonia, e para quem envelhecer constituía uma tragédia. A dimensão do sofrimento deste mito é tremenda. Talvez ela preferisse a divulgação do escrito durante a sua vida, talvez até uma divulgação imediata do registo, para que a ajuda que se revelava imprescindível, pudesse ter chegado a tempo.

Lilá(s) said...

Boa questão para a qual nunca haverá resposta. Tive o prazer de ver num museu na Dinamarca
( Hellsingor) os originais da pintura nas várias versões de Marilyn Monroe, um delícia!
Bjs

aflores said...

Boa questão.
Permanecerá a dúvida....

Tudo de bom.

Susaninha said...

Realmente é uma questão pertinente...
Sabemos lá...
Mas a verdade é que uma MUlher lindissima...

Vamos pensar que ficaria FELIZ....
SUUUUrrisinhos:)

Celisol said...

Pois...

vitor cunha said...

Na minha opinião a vontade de Marylin, quanto à publicação seria plural,isto é: -haveria coisas que gostaria de ter revelado em vida mas não teve coragem ou não achou conveniente fazê-lo;
-haveria coisas que gostaria que fossem reveladas após a morte;
-haveria coisas que gostaria que nunca fossem reveladas!
Acho que estamos no domínio da especulação e qualquer opinião é sempre especulativa.

heretico said...

alguém vai ganhar, não?

que importa a "divina fragilidade" de Marylin?

beijo

Daniel Silva (Lobinho) said...

Norma Jean, DiMaggio, parabéns ao presidente, chanel 5 e uma carência dantesca, é o que costumo associar a marylin! E o seu último filme quase premonitório de um final trágico.

Um beijo

. intemporal . said...

.

. Marylin . quando um mito se e.terniza . e tantas vezes esquecida no valor que visa ... .

.

. e . venho por ora desejar.TE um santo e feliz natal extensível a toda a família e a todos os amigos que te sejam essência ao peito .

.

. grat.íssimo ainda pela constância da tua presença no #intemporal# que tanto me gratifica .

.

. um beijo sempre amigo .

.

. paulo .

.

Fragmentos Culturais said...

... não sei se a tragédia estava no envelhecer, se na solidão do ser 'Marylin', Isabel...

Suponho que há parte da obra (talvez a poesia...) que Marylin gostaria de ter publicado em vida. Isto porque ela fez um esforço imenso para ser reconhecida como uma mulher culta, para além do mito.

Mas haverá excertos que poderemos duvidar...

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

... devo dar-te razão, Lilás(s). A resposta nunca a saberemos...

Momento único esse! Poder apreciar a obra de Andy Wahrol, assim!

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

Permanecerá a dúvida sim, 'aflores'...

Tudo de bom, para ti!

Fragmentos Culturais said...

Mulher lindíssima! Sem dúvida, Su! Tão linda quão frágil...

Com teu espírito sempre para cima, vamos pensar que sim! Ficaria feliz!?

Beijinho*

Fragmentos Culturais said...

... a dúvida persistirá, Celisol...

Fragmentos Culturais said...

... também referi isso, na resposta ao comentário de Isabel!

Há certas passagens que vão gerar controvérsia, Vítor! Certamente...

É uma especulação, qualquer que seja a opinião. Assim, como a própria publicação pode ser especulativa!?

Ninguém explica por que razão a viúva de Stradbergc guardou os documentos durante 48 anos? A pedido de Marylin? Inibida por questões que nos ultrapassam, mas que são de domínio público?

Tantas interrogações podem ficar suspensas...

Fragmentos Culturais said...

... sim, alguém vai/está a ganhar, Herético!
Em França está a ser um best-seller (a nível de leitores, dizem, no feminino)!

E como já comentei na resposta a Vítor... quem explica a retenção durante 48 anos?

A algumas pessoas, a fragilidade de Marylin não importa (nem importou). Segundo documentos de época, a'divina' Marylin lançou vários SOS, mas...

Triste fama, dura fama :(

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

...esses alguns dos nomes e/ou factos que estiveram ligados a Marylin... desconhecia 'Chanel 5', Daniel.

A carência afectiva, por incrível que pareça, sendo uma mulher tão bela e nada estúpida, é efectivamente a mais marcante :(
Se ouviste a sua voz, neste vídeo, Marylin assume-a.

E o seu último filme, é na realidade 'uma morte anunciada', como foi o último filme de Romy Schneider, por motivos diferentes...


Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

Marylin tornou-se um mito depois de morrer, como James Dean, ou River Phoenix!
Talvez que Marylin se tenha eternizado mais, pelas pessoas com quem se cruzou. Ou por ser bela! Ou mulher! Não sei...

Sensibilizada pelos votos de Feliz Natal, que já retribuí em post de Natal, e que aqui relembro com amizade.

Não tens que agradecer a 'constância da minha presença no #intemporal#, lá estou com carinho e amizade!

Um beijo sempre amigo, Paulo

(relembrei alguns comentários teus ao longo do tempo... reparei que foste colocando 'distanciamento' e alguma 'frieza'. Apenas uma interiorização, não uma crítica)