Thursday, July 8, 2010

Melody Gardot na Casa da Música



Melody Gardot/ Casa da Música
Fotografia: Paulo Costa

Diamonds shining, dancing, dining with some man in a restaurant
Is that all you really want?
No, Sophisticaded lady,
I know, you miss the love you lost long ago
And when nobody is nigh you cry

Sophisticad Lady, (lyrics Mike Parish)
Duke Ellington/ Irving Mills

Bem! Na Casa da Música, anteontem, dia 06 Julho 2010, Melody Gardot apresentou-se num estilo de sophisticad lady! Foi logo este o título do tema inesquecível de Billy Holiday que me saltou de rompante, mal a vi entrar no palco.

Uma mulher alta, bem elegante, num vestido vermelho quente, que contrastava lindamente com o cabelo loiro e a bijuteria exuberante. Um todo rematado com um par de óculos escuros e uma distinta bengala. Épatante, diriam os franceses!! No entanto, Melody tem por trás deste look uma história dramática.

O público foi apanhado tão de surpresa que não conseguiu reagir nos primeiros instantes! Lembrei Dianna Krall, na primeira vez que se apresentou em palco, no Coliseu. Embora Krall vestisse um discreto vestido preto, saltos altos sim, mas cabelos soltos, sem adereços. 

Voltemos ao essencial! O jazz! Foi jazz de inspiração blues num misto de chanson que se tocou e ouviu na voz melodiosa de Gardot! Os músicos distintamente vestidos de negro, apresentaram-se de início em trio (saxofones, contrabaixo e percussão), mas depois dos dois primeiros temas, o instrumental de introdução seguido do primeiro vocal - The Rain - com a compositora e intérprete sentada ao piano, fez sua aparição o quarto músico. Eu diria uma quase inovação no conceito da formação em jazz! Raramente, oiço um violoncelo em jazz!

O  palco virou ainda mais intimista com o som do violoncelo! Verdade! Para mim, o mais criativo músico em palco. De enorme qualidade! Um carisma especial num todo  de música excelente. 



Melody Gardot
Imagem cartaz

"A norte-americana Melody Gardot apresenta na Casa da Música o último álbum de originais, My One and Only Thrill. O trabalho, segundo longa-duração da cantora, consolidou-a como uma das vozes mais importantes do jazz actual, tendo alcançado o segundo lugar do top da categoria nos Estados Unidos e o 12º lugar do top inglês."

www.casadamusica.pt


Melody Gardot/ Casa da Música
Fotografia: Paulo Costa


... podia ler-se na apresentação! Melody Gardot começou a sua actuação, tal como Krall, sentada ao piano, manejando os pedais com saltos altíssimos, tocou com desenvoltura, mas nada comparada a Dianna


O público, já mais refeito de tal presença, repito, bem sensual e nada comum, começou a reagir após o segundo tema cantado. E foram muitos, se não quase toda a sala Suggia, que acompanharam calorosamente os temas interpretados.


Fazem parte desse seu segundo trabalho My One and Only Thrill (2009). Este álbum enfatiza as qualidades de Gardot, e tem um cunho mais jazzy com impressões bossa jazz do que o seu primeiro trabalho, Worrisome Heart (2006). 


Ressalto You Really Got Me,  Baby If the Stars Were Mine, Who Will Confort Me.


Como último encore um indescritível momento! Um tema que me é muito querido, Somewhere over the Rainbow. Uma canção extraordinariamente acompanhada com solo de violoncelo, tocado em jeito e posição de guitarra clássica. Não tenho palavras! Intenso! 




Melody Gardot/ Casa da Música
Fotografia: Paulo Costa

Music therapy is part of my life.
Melody Gardot

Não posso dizer que Melody Gardot tem uma voz carismática! Ao ouvi-la, penso em Lisa Ekdhal ou Norah Jones mas o seu timbre é muito agradável e melódico! 


Melody imprime à sua voz uma característica muito especial: uma certa languidez no fraseio que elegantemente alongam as suas melodias terminando depois quase em sussurro. Temas curtos, subtis percepções, delicadas emoções de sonoridades introspectivas que se tornam encantadoras.


Apoiada em músicos de tão grande qualidade, aliás a cantora e compositora não lhes poupou elogios, a noite resultou linda!


Não conhecia nada da intérprete e compositora! E preferi deixar-me surpreender! Em pleno! Ficou-me no íntimo!



My One and Only Thrill
Melody Gardot/ The Verve
http://www.melodygardot.com/

Jazz sensation Melody Gardot’s grief-stricken, yet inspirational, journey to stardom is captured in Melody Gardot: The Accidental Musician.


G-S


Fragmentos Culturais

08.07.2010
Copyright © 2010-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Licença Creative Commons

10 comments:

Avelaneira Florida said...

Fragmentos,
não conhecia!!! Mas pela descrição o concerto foi uma verdadeira maravilha!!!!
"Brigados" por mais esta partilha!!!!!!

Adoro aqui chegar e encontrar sempre algo que nos reconforta o espírito...sabe tão bem nos dias em que vivemos!!!!

Bom restinho de fim de semana!!!!
Bj

Petrus Monte Real said...

Fragmentos,
Grato por nos proporcionar mais uma descoberta. A visita a este lugar está a tornar-se um hábito, de que não prescindo.
Na primeira oportunidade, vou adquirir a última obra desta intérprete.

Lisonjeado pelo seu último comentário ao meu texto e ao "a partir da lua"!
Nestes dias, antes de férias, luto contra o tempo, mas sempre arranjo algum para "blogadialogar" - gosto do seu inventado conceito.
Um prazer!
Desejo-lhe um bom dia de trabalho!

JayBe said...

Fragmentos,
ainda bem que partilhamos da mesma opinião. Saí da Casa da Música deliciado e, apesar de preparado para gostar desta Senhora ao vivo pois já vem fazendo parte da minha playlist há uns tempos, fiquei estupefacto com a qualidade de tamanha actuação. Justiça seja feita aos fabulosos músicos que a acompanharam e reparei também particularmente no violoncelista alemão que em momentos roubou o "spotlight" e que de facto me fez e faz até agora percorrer a net à procura da música que antecedeu "My One and Only Thrill". Foi um momento altíssimo de manifesto domínio do instrumento mesmo que utilizado de forma menos ortodoxa. Por isso lanço aqui um apelo para que alguém mais esclarecido me possa elucidar do nome desse mesmo tema (que não faz parte de nenhum dos albúns ao que pude apurar) e que "desembocou" em "My One and Only Thrill" sem direito a aplauso por isso mesmo. Se alguém tiver o set disponível também serve. Obrigado.
J.B

Susaninha said...

Sexta a noite....
Saí tarde do trabalho , dei uma caminhada na praia e estou aqui a relaxar no teu cantinho e a ouvir Melody Gardot...
E sabes qual é o resultado...QUE PAZ:)
REALMENTE TENHO QUE TE DIZER...OBRIGADA, OBRIGADA, OBRIGADA:)
SUUUUrrisinhos:)

Fragmentos Culturais said...

Sem dúvida, 'Avelaneira'! Foi um concerto especial, nada vulgar, com muita magia!

Sensibilizada pelas palavras sempre amistosas! Mas tenho que concordar contigo... vivemos uma época nada fácil, em quase todos os aspectos!

A arte, entre elas a música, é uma excelente fuga para o nosso sentir!

Lindo fim-de-semana!
Um beijo

Fragmentos Culturais said...

... também para mim foi uma descoberta, 'Petrus'! E uma excelente descoberta!

Ainda não tive tempo de passar por uma discoteca (Fnac, certamente), mas sinto a mesma vontade: a de adquirir este último álbum de Gardot!

É sempre um prazer lê-lo por aqui! Eu estou em falta... pois ainda não fui retribuir a última visita a seu espaço! Nem o fiz a ninguém :(
Hoje tentarei passar pelos espaços amigos!

Pois, é verdade! Quando se mantém assim um diálogo via blogue ( eu adoro!) passa a ser então um 'blogadiálogo', um neologismo que acho adequado e não ofende, de modo algum, a norma padrão da nossa língua!

Faço votos que o seu trabalho tenha abrandado.Talvez já de férias?!

Uma excelente semana! Sensibilizada!

Fragmentos Culturais said...

Boa noite ''J.B.'

Eu fui sem ter ouvido nada de Mélodie Gardot! Preferi deixar-me surpreender! E fiz bem! Foi muito maior o impacto que teve em mim o seu concerto!
Os primeiros momentos foram de muita expectativa... mas a partir do segundo tema e com a entrada do violoncelista, deixei-me seduzir completamente!

A 'rara' musicalidade que o violoncelo imprimiu no 'ensemble' de jazz, fez com que a actuação tocasse a mais ínfima paisagem da sensibilidade!

O instrumento, violoncelo, per si já é uma mais valia pelo quase inédito conceito em jazz! Mas o músico alemão... não se tem palavras!! Não foi só o domínio, foi acima de tudo, a musicalidade! Rara!

Particularmente, lembro um tema tocado que me deixou 'suspensa, mas não posso afirmar que desse sequência para "My One and Only Thrill". E até pode ter sido esse mesmo, mas não posso afirmar, repito...

Apenas posso referir que desde o momento em que o músico entrou em palco, eu perdi-me na contemplação íntima dessa musicalidade!
Houve momentos em que as pessoas se inibiram de interromper para aplaudir, pelo motivo que apresentei... 'a contemplação auditiva'!

Espero que alguém possa ler o teu pedido e consigas finalmente saber como se denomina o tema!
Ou foi apenas uma improvisação... que dificilmente se repete!?

Foi um prazer ler teu comentário e poder trocar impressões com quem viveu as mesmas 'impressões' musicais num concerto que teve todos os ingredientes para nos deixar extasiados!

Boa semana!

Fragmentos Culturais said...

...'Sexta à noite...' - depois de uma semana exaustiva, uma caminhada na praia (sortuda!!) e como corolário ouvir tranquilamente Mélodie Gardot!!

Não te podias oferecer melhor pausa de fim-de-semana, querida Su!

Quanta qualidade!! E como posso pressentir o resultado :))

Hoje a praia esteve divina! Foi com muito custo que a abandonei às sete da tarde...

Uma semana linda!
Beijinho grande**

Susaninha said...

Continuo fascinada com esta Mélodie Gardot:)

Fragmentos Culturais said...

... e tens razão para tal, Su! Mélodie é fascinante! E apoiam-na músicos de elevada qualidade!

Pena não me ter lembrado de te propor esta ida à Casa da Música :(
Ficarei mais atenta...

Bom fim-de-semana... e muito mar ;)