Wednesday, April 1, 2009

Maurice Jarre 1924-2009: tributo





Maurice Jarre


Urso Honorário de Ouro - Prémio Carreira - Festival de Berlim 2009
créditos: Getty Images / WireImages
http://www.underscores.fr/ 

"Without Maurice Jarre, who died last week at 84, who would David Lean's Lawrence of Arabia be? Peter O'Toole's deliquescent eyes, shimmering in the desert light, would have been little more than a silent mirage. Jarre's 1962 film score, which won an Academy Award, is a reminder that in the movies there is no character and no landscape unless there is a musical soundscape too."

Dennis McLellan, The New York Times

O compositor francês Maurice Jarre, de 84 anos, morreu hoje de madrugada em Los Angeles, no Estado norte-americano da Califórnia, anunciou o agente do seu filho, Jean-Michel Jarre, confirmando uma informação do site Purepeople.


A carreira de Maurice Jarre, nascido em 1924 em Lyon, no sudeste de França, começou nos anos 1950, com a composição de música para filmes.




Lawrence of Arabia, 1962


O êxito da banda sonora original de Lawrence of Arabia, em 1962, içou-o ao pódio de Hollywood e cimentou a sua colaboração com o realizador britânico David Lean, com quem formou igualmente equipa em Doutor Jivago (1965) e Passage to India (1984).

Pela música destes três filmes, Maurice Jarre foi recompensado com um Oscar da Academia Cinematográfica norte-americana.



"The music must give the film an added dimension. It must say things not seen on the screen or heard in the dialogue. This can be done without destroying the dramatic balance. It is not easy, of course, and we do not always succeed. But it is our goal."

Jarre, The Times, 1961

É difícil escolher entre filmes intemporais como estes! Todos me fascinaram!





Doctor Zhivago, 1965

Doctor Zhivago, adaptação do romance de Boris Pasternak, Prémio Nobel 1958 e Lawrence da Arábia, baseado na vida do T.E. Lawrence, um militar inglês que ficou conhecido pela Revolta Árabe, são clássicos imprescindíveis! Pela história, pela fotografia, pelas interpretações, pelas bandas sonoras de Maurice Jarre.


Passagem para a Índia, adaptação da obra de E.M.Forster é de uma beleza absoluta, entre rotas impossíveis de olvidar - O Rio Ganges, os Montes Molibar, os Himalais - para chegar à Índia. 




Passage to India, 1984


Adaptações ao cinema de grandes obras, diferentes, mas não dispares olhares.

Talvez o mais marcante tenha sido, para mim, Lauwrence of Arabia. Abriu fronteiras para paisagens míticas. O brilho inédito da aventura no deserto. O magnetismo que se desprendia da personagem interpretada por Peter O'Toole. Paisagens, banda sonora. 

Embora Doutor Jivago me deixe também muito balançada. Paisagens, banda sonora, interpretações fabulosas de Julie Christie, Omar Sharif ou mesmo Geraldine Chaplin.





Ghost, 1990

Mas aquele que mais me tocou foi sem dúvida Ghost (1990). Sentires espirituais que a banda sonora valorizava com aquele toque sobrenatural. Maurice Jarre obteve com ela uma nomeação para "Melhor Banda Sonora" desse ano.



Maurice Jarre
European Film Awards 2005

Marcus Brandt / Associated Press
http://www.latimes.com/

Jarre participou em mais de 150 bandas sonoras de filmes, de grandes realizadores como John Frankenheimer, Alfred Hitchcock, John Huston, Luchino Visconti e Peter Weir.

Impossível classificar o seu trabalho que é extraordinário ou tentar seleccionar uma entre tantas tão maravilhosas. Bandas sonoras de íncrivel beleza melódica, inovadoras, gloriosas, inspiradoras! 




Maurice Jarre 1924-2009

Foi precursor na introdução de instrumentos étnicos, sobretudo a partir de Lawrence da Arábia.

"From the mystical overtones of "Ghost" to the primitive sounds of "Mad Max Beyond Thunderdome," to the Russian balalaikas in "Doctor Zhivago," composer Maurice Jarre always seemed to find the right signature for every film he scored. And unlike so many of today's thundering but essentially interchangeable big-orchestra-plus-electronics scores, the voice of a Maurice Jarre film was always uniquely his own."

Jon Burlingame





"One could say my life itself has been one long soundtrack. Music was my life, music brought me to life, and music is how I will be remembered long after I leave this life. When I die there will be a final waltz playing in my head and that only I can hear."

Maurice Jarre


G-S

Fragmentos Culturais

01.04.2009
Copyright © 2009-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®



18 comments:

Jorge P.G said...

Muito boa noite.

Tendo passado por um dos meus blogues, não resisti a visitá-la.
Gostei do que vi/li. Está um blogue fresco, suave, como os tons que agora nos chegam na primavera, e referindo-se a temas interessantes, tentando fugir à vulagaridade de milhares e milhares de blogues.
Eu, que aqui ando há 3 anos, digo-lhe para continuar sempre. Vale a pena.

Quanto a Mauice Jarre, concordo o mais possível com a referência do New York Times. Um grande filme não o seria tanto sem uma enorme música a vestir bem as imagens.

À margem:
Sugiro-lhe que passe por outros canais meus. Neles encontrará, por certo, temas do seu interesse.
Aguardo-a e não tem que pedir desculpas. Não houve nenhuma intromissão sua, antes pelo contrário, houve colaboração que muito estimei.

Os meus melhores cumprimentos, ou um abraço, como preferir.
Jorge P.G.

Isamar said...

Amiga,Maurice Jarre é mais uma daquelas figuras ímpares da nossa cultura que a lei da morte libertou. A sua obra ficará entre nós eternizada em filmes inesquecíveis.

Bem-hajas!

Beijinho

Peter said...

Não vi "A rota das índias". Com a sua morte a Humanidade fica mais pobre. Entretanto continua vivo (?) aquele Homuncúlo da Monarquia Comunista da Coreia do Norte.

Fragmentos Culturais said...

Olá Jorge,

Tal como muitos de nós, uma boa banda sonora é aspecto que não dispensamos! Por vezes, o filme até nem é nada de reter, mas permanece a música!

No entanto, os bons filmes ficam-nos ainda mais na memória dos afectos, se a banda sonora nos 'tocar'!
Lembro 'O Gladiador', 'O Último Samuraï', 'O Piano', 'Babel', 'As Pontes de Madison County', aliás todos os filmes de Clint Eastwood [jazz]... ficaria aqui uma tarde inteira :)

Sensibilizada pelo seu olhar amistoso em 'fragmentos'!

Um abraço,

... passarei por outros espaços seus, certamente!

Fragmentos Culturais said...

Olá 'Isamar',

Ser-me-ia difícil escolher entre as suas bandas sonoras!

Mas, abstraindo destas três que lhe deram um 'Oscar', eu retenho: 'Clube dos Poetas Mortos', 'Ghost'!

Concordo contigo! É uma referência histórica na filmografia musical!
E um inovador!

Sensibilizada pelo teu olhar amistoso!

Bom domingo!

Fragmentos Culturais said...

Olá Peter,

Por estranho que pareça, a tradução 'A Rota das Índias' para o filme 'A Passage to India' apareceu em todos os noticiários!

A verdade é que a tradução que passou nas salas de cinema, foi [a mais acertada, aliás]- 'Passagem para a Índia'!

Não sei de onde viria esta 'hibridez' que poderá ter confundido alguns cinéfilos... talvez da tradução brasileira!?

Um filme intenso que ajuda a perceber a transição da Índia na rota da sua auto-determinação.

Sensibilizada pelo olhar em 'fragmentos'!

Um excelente domingo!

Paulo - Intemporal said...

im.prescindível esta homenagem.

e deposito aqui um olhar atento.

no in.tempo do tempo.

rumo aos dias findos, que se acometem des.mesurada.mente.

um abraço _____________________ .

heretico said...

excelentes referências. e partilhas. as tuas.

beijos

Avelaneira Florida said...

Fragamentos,

li a notícia e tinja já espreitado o teu post...

mas só agora pude, com algum descanso, vir beber à fonte...

Relembro algumas destas bandas sonoras e apetece-me ficar o dia a recordar...uma a uma... e a viajar nesses espaços da minha imaginação!
" Brigados" por mais esta partilha e pela presença tão atenta...
Uma boa semana!!!!!

Paulo - Intemporal said...

______________________________ e

porque o tempo é de reflexão

____________ faço uma p.a.u.s.a.

no efémero dos dias [...]

e deposito aqui votos de uma Páscoa feliz e amplamente renovada.

____________ um a.b.r.a.ç.o.

e tão breve serei outra vez presença, com amizade e devoção

[...]

______________________________ .

Fragmentos Culturais said...

Olá Paulo - 'Intemporal'!

Não sei que possa acrescentar ao 'poetar' lindo sobre a passagem do tempo, em dias sem tempo[s].

Um abraço sensibilizado!

... Maurice Jarre é imprescindível na história 'musical' do cinema, como já escrevi anteriormente! Sem dúvida!

Fragmentos Culturais said...

Sensibilizada, 'Herético'! Sempre atento e amistoso!

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

Olá 'Avelaneira',

A música tem um forte influência na memória dos afectos de cada um de nós! Sem dúvida...

É sempre um prazer 'ler' teu olhar! Sensibilizada pela 'permanência'!

Continuação de um excelente descanso!

Um beijo amistoso,

Fragmentos Culturais said...

Boa noite, de novo, 'Paulo'!

Sim, atravessamos um 'tempo' de reflexão, em muitos 'espaços'!

E cada vez compreendemos com maior profundidade, como somos efémeros...

É com carinho que recebo os votos aqui poisados! E retribuo-os com o mesmo sentimento!

Um abraço sereno, bem 'p.a.u.s.a.do'!

Å®t Øf £övë said...

Um grande compositor que ficou para sempre ligado a grandes obras cinematográficas. Morreu, mas resta-nos a consolação de sabermos que deixou um legado que faz e fará parte da história.
Bjs.

Fragmentos Culturais said...

É assim como escreveste, 'Art_'!
O seu legado é imenso e muito inovador!

Mas, sempre que 'desaparece' alguém a quem estamos 'ligados' por qualquer referência, parece-nos maior essa perda!

Um beijo
... sensibilizada pelo teu olhar!

Oliver Pickwick said...

Infelizmente os mestres não são eternos, porém as suas obras persistem. A trilha sonona de Lawrence da Arábia é das melhores de todos os tempos.
Um beijo!

Fragmentos Culturais said...

'Infelizmente os mestres não são eternos...' - verdade, Pick_!

Que 'as suas obras persistem...'é uma dádiva!

Ser-me-ia difícil seleccionar uma das bandas sonoras de Jarre! Quase todas, belíssimas!
Mas gosto muito da que referiste, também!

Sensibilizada pelo teu olhar atento, amistoso!

Bom domingo!
Um beijo