Sunday, October 16, 2011

Tudo o que Perdemos... revisitado


Poster

E ontem, ao chegar a casa, depois de uma sessão de cinema a não recomendar, deparei-me, de novo, com um filme que já vira em 2008 Tudo o que Perdemos, tradução de Things We Lost in the Fire

Não é um filme fácil ou confortável, mas é uma excelente história, numa narrativa sensível, humana, um diário de perdas e reencontros em que reaprendemos a valorizar as pessoas e a vida!

“It’s about catharsis and recovery,” he proclaims. “That’s all I say. That is what it’s about. But it’s also about friendship.”

Allan Loeb

Things we lost in the fire realizado por Susanne Bier  - a sensibilidade feminina está bem presente - tem como actores Halle Berry e Benicio Del Toro nos papéis principais.

Só por si, este último, levar-me-ia a não arredar pé. Daí, ter-me sentado, desta vez, frente ao televisor! Refazer-me da má escolha do final de tarde, foi apenas uma desculpa. Queria mesmo rever esta história.

Benicio Del Toro tem uma interpretação brilhante - quando é que que o actor não é brilhante?- neste poderoso drama! Mas é muito bem acompanhado por Halle Berry.

Os dois conseguem-nos transmitir todas as emoções inerentes à situação de cada uma das personagens, num esforço comum de recuperação, o que dá grande autenticidade ao filme!




Outra referência! Sam Mendes (produção) o realizador de “American Beauty” (1999) e “Road to Perdition,” (2002).

“It’s a very moving, touching original story,” he says. “It’s very rare to find movies that, on the one hand, are personal stories about human beings interacting, but on the scale necessary to be a motion picture as opposed to a piece for television.”

Sam Mendes

De imediato interessado no script de Allan LoebMendes partiu em busca do realizador ideal. Neste caso, da realizadora!


Comparando BierFernando MeirellesAlejandro González Iñárritu e outros talentosos realizadores contemporâneos, nela encontrou imediata receptividade.

“Like Susanne’s work, their movies tend to have a similar aesthetic… handheld, a little rougher, grittier and very distinctive…not as conventional as some equivalent moviemaking in this country and my native England,”


Sam Mendes

Bier que buscava o argumento ideal para fazer a sua iniciação no cinema americano, ficou profundamente agradada com o script de Loeb, deixou-se envolver pela trama psicológica de duas pessoas atingidas por um drama comum. O sentimento de  perda.



Things we Lost

Del Toro fez uma séria pesquisa sobre dependência de drogas, para a sua interpretação. Falou com médicos especializados, frequentou sessões dos NA (Narcotic Anonymous). Se viram o filme, não duvidam. Grande veracidade naquele seu jeito.

“I think it was Kurt Cobain who said something along the lines that people need to get high to feel the enthusiasm that they felt as a kid,” 

Benicio Del Toro

Outro ponto alto do filme: a banda sonora do argentino Gustavo Santaolalla   e do sueco Johan Sodergvist
Santaolalla é conhecido pelos trabalhos em The Motorcycle DiariesBabel, e Brokeback Mountain. Filmes de referência para quem gosta mesmo de cinema.

“This is not a message movie. I hate message movies. But I do like stories with content, and I do like stories which, though they appear to be deceptively simple, stay with you after you’ve seen them and spark discussion.”

Susanne Bier

História que me prendeu, mais uma vez, porque nos faz reflectir, nos motiva a debater...





G-S


Fragmentos Culturais*

16.10.2011
Copyright © 2011-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Este ensaio, reescrito, foi publicado (sob pseudónimo) em Maio 2008


Licença Creative Commons


11 comments:

Isamar said...

Mais uma recomendação a ter em conta à semelhança do que já me aconteceu, aqui, por várias vezes.

Bem-hajas, amiga!

Beijinhos

O Profeta said...

O tempo corre em sua em sua invisível viagem
Um Santo nunca dorme no altar
Um barco sobe e desce cada onda do Mar
Um cais de partida também acolhe o chegar

São tantos os mistérios que encontrei na vida
Cruzei com gente desconhecida que conhecia bem
Falei e falo com gente que partiu desta vida
Sinto tanto aroma perdido que este tempo guarda e tem

Mágico beijo

mfc said...

Não conhecia o filme... mas não ignoro uma recomendação tua.

Lilá(s) said...

Como é de aproveitar o que recomendas, vou colocar na lista de espera...
Bjs

aflores said...

Fantástico e logo com dois dos meus actores preferidos. Faz parte da colecção e já foi visto mais que uma vez, pois como tu dizes e muito bem...«nos faz reflectir, nos motiva a debater...»

Tudo de bom.

Fragmentos Culturais said...

Não sou muito de ver televisão, mas quando passa algum filme que me interesse, fico atenta! E por vezes, porque não ando a par das programações, apanho os filmes já a meio. Mas quedo-me de imediato, se alguma imagem ou actor me trazem à memória algo que gostei!

Verdade que muitos dos filmes, já vi em sala de cinema... mas quando são bons, revejo com atenção! Há sempre uma segunda leitura... tal como nos livros.

Foi pena, 'Isamar'! Mas talvez o apanhes num canal vocacionado para o cinema. Vale a pena, acredita!

É sempre tão bom, ter-te por aqui...

Um beijo amistoso

Fragmentos Culturais said...

'Profeta', foi com alegria que li a tua poesia (excerto).

Voltaste a este meu espaço! Mas que bom!

Em breve, vou retribuir a tua atenção e ler o poema na íntegra...

Muito obrigada!
Um beijo

Fragmentos Culturais said...

Vais gostar, 'mfc'!
E se aprecias uma boa história, bem humana, e interpretada por excelentes actores...

Sensibilizada por confiares nas minhas sugestões :)

Fragmentos Culturais said...

... também tu, 'Lilá(s)!
Muito obrigada por aceitares as minhas recomendações cinematográficas!

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

Pois! Também meus actores favoritos, 'aflores'!

Ah! Então não deixaste de rever :) Excelente, não achas?

Gosto desses filmes que nos deixam ensimesmados...

Tudo de bom!

Anonymous said...

Bem é madrugada e já devia estar no segundo sono ... mas fiquei presa na tv por este belíssimo filme e depois não resisti vir à net saber mais dele.
É simplesmente genial este filme.
A forma como aborda temas tão difíceis e de uma forma para mim que nunca vi.
A amizade, o amor, a coragem, a luta interior e agradecimento estão de tal forma vivamente espelhados no filme que não conseguimos deixar de o ver
A interpretação dos atores é excelente.
Muito bom este filme.
Muitos poucos filmes me fizeram chorar desta forma
Se recomenda