Friday, August 29, 2008

Outras poesias da Península Ibérica




Rui Romão
http://www.flickr.com/photos



Bom é que não esqueçais

Que o que dá ao amor rara qualidade

É a sua timidez envergonhada.
Entregai-vos ao travo doce das delícias

Que filhas são dos seus tormentos
Porém, não busqueis poder no amor...

Que só quem da sua lei se sente escravo
Pode considerar-se realmente livre.

Ibn 'Ammãr
Poeta hispano-árabe, 1031-1084

G-S

Fragmentos literários, antigas civilizações na Península Ibérica


29.08.2008
Copyright © 2008-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®  

14 comments:

(a) said...

"Alguém me habita como uma árvore ou um planeta.
Estou perto e estou longe no coração do mundo. "

Antonio Ramos Rosa -
A noite chega com todos os seus rebanhos

Um afectuoso beijo!

Hanah said...

Belissimo...

Fragmentos, passei por aqui também para desejar-lhe um Feliz BlogDay,
deixei-te uma indicação no Alfazenite...

Abraços

Hanah

Filipe Oliveira said...

Doce prisão

avelaneiraflorida said...

Fragmentos,

De volta....

e encontro aqui logo, logo, uma das coisas que aprendi a amar...a poesia árabe!!!!
Na Faculdade, um dia, o Prof. Borges Coelho deu uma(das suas Muitas) aulas inolvidáveis... e eu descobri um novo mundo!!!!
Agredeço esta recordação!!!!

Tiago R Cardoso said...

muito bem outra vez...

recuperei do ataque informático e consigo finalmente voltar aqui para te ler.

Peter said...

Constando dos n/links, confesso ser a primeira vez que visito o blog e lamento não o ter feito há mais tempo.
Possivelmente o "link" foi metido por outro colaborador do blog.
Agora que li a poesia hispano-árabe, tenho de reconhecer ter sido uma boa aquisição.

Fragmentos Culturais said...

... António Ramos Rosa é um poeta que aprecio profundamente, 'a'!

'Dir-se-ia que o ser respira e se deslumbra
e que tudo ascende sob um sopro silencioso.
Nenhum sentido mas os signos amam-se
e o brilho e o rumor formam um mundo.'

António Ramos Rosa, Um mundo,
Acordes, Quetzal Editores, 1990

Sensibilizada pelo teu olhar em 'fragmentos'!

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

Hanah,

Sensibilizada pela lembrança no 'BlogDay'!

Quis retribuir, segui-te até 'alfazenite', mas não existe!?

Abraços,

Fragmentos Culturais said...

... os árabes tinham um conceito literário do amor assaz interessante e muito poético!
Não conheço a literatura contemporânea...

Sensibilizada, Filipe, pelo olhar em 'fragmentos!
Bom fim-de-semana!

Fragmentos Culturais said...

... mas que agradável 'avelaneira' ver-te/ler-te de novo em 'fragmentos'!

Como já escrevi mais acima, também eu tenho uma 'gosto' muito especial pela literatura árabe antiga! É de facto um mundo diferente e cheio de sensibilidade!
Da actual, nada sei no que concerne a poesia...

Excelente fim-de-semana e bem estar!
Um beijo

Fragmentos Culturais said...

... não sabia que tinhas sofrido um 'ataque informático, Tiago :(

É verdade que também tenho andado um pouco distanciada...

É sempre muito agradável 'ler' teu olhar atento a 'fragmentos'!

Um beijo
... e a recuperação total

Fragmentos Culturais said...

... penso que já andaste por aqui, 'Peter, embora já tenha passado algum tempo!

Não sei qual o colaborador do teu espaço que possa ser meu leitor...

Ainda bem que apreciaste esta tipologia poética hispano-árabe, deixada na península Ibérica!
Não tem sido muito divulgada, o que é de lamentar!

Um bom dim-de-semana!

Å®t Øf £övë said...

Diz o poema que o que dá ao amor rara beleza é a sua timidez envergonhada. Realmente no passado, era assim, e era essa a beleza, mas infelizmente nós nossos dias toda essa timidez se perdeu, e o amor parece que se tornou num lugar comum, sem conteúdo nem sentido.
Beijinhos.

Fragmentos Culturais said...

... para alguns será assim, Art!

Mas há que viva o amor sem ser lugar comum, com sentimento mesmo que nada faça sentido...

Um beijo