Sunday, December 1, 2013

A arte do objecto : a nova Pop Arte ?




Les marques, nouveaux objets du musée

Os museus abrem-se a novos conceitos de Arte. Não é para admirar. O mundo evolui e com ele evolui tudo o que está ligado à interacção da Humanidade com o quotidiano. Material, cada vez mais, alienação talvez. O que não é propriamente o melhor lado da vida.


Mas não me choca. Sou receptiva a todo o tipo de evolução. Apenas preservo a ética e a estética em cada uma das novas expressões.

Sigo repetindo que tudo está inventado no que concerne a Arte, as Humanidades. Reinventam-se apenas. Remisturam-se. Só as Ciências e as Tecnologias têm ainda novos caminhos a percorrer.

Vejamos então! Le Monde-Culture, uma das minhas leituras de fim-de-semana, tem hoje dois artigos que passo a expor.

Les marques, nouveaux objets du musée que fala de novos paradigmas de arte. Por exemplo, as exposições no Grand Palais. Depois de Miss Dior que terminou em 25 Novembro 2013: 

"Dior invite 15 artistes féminines venues du monde entier à s’inspirer librement de ce parfum de légende. En s’emparant de ses codes éternels, son flacon et son motif pied-de-poule, son noeud poignard comme son égérie Natalie Portman, leurs oeuvres visionnaires nous plongent dans l’histoire de la maison Dior. "


Grand Palais


Joana Vasconcelos Miss Dior (le noeud)

Entre as 15 artistas femininas, Joana Vasconcelos. Há quem ame. Há quem deteste. Eu aprecio algumas das suas obras. E admiro a excentricidade que põe na arte. Exuberante. Criativa.

Segue-se Cartier, le Style, l'Histoire (até 16 Fevereiro 2014):




"Cartier a pourtant joué un rôle très important dans l’histoire des arts décoratifs. Ses créations, du classicisme du « joaillier des rois » aux inventions radicales du style moderne, entre géométrie et exotisme, offrent un témoignage passionnant sur l’évolution du goût et des codes sociaux. Joaillerie, horlogerie, objets aussi pratiques que raffinés : Cartier a séduit les personnalités les plus élégantes du XXe siècle."

Cartier (app)





No Palais de Tokyo que pude visitar em Setembro último, está Dans les pas de Roger Vivier que foi precedida de Nº 5 Culture Chanel.



Jóias, perfumes, sapatos, vestuário de luxo, tomam lugar ao lado de George Braque, Félix Valloton no Grand Palais ou Philippe Parreno no Palais de Tokyo.

A arte do objecto? Continuo no Le Monde. Um outro artigo, este a propósito da exposição David Bowie no Victoria and Albert Museum. Mais de 300 000 pessoas 'interagiram' com o ícon musical. A exposição "Bowie Tour" anda agora pelo mundo, tendo já passado por Toronto, São Paulo, e Chicago. A  "Bowie Tour" chegará a Paris, La Villette, em 2015. Duvido que passe pelo nosso país. 


Aqui então o artigo, L'extension du domaine de l'art:


"Tout s’expose aujourd’hui. Y compris des créateurs qui ne sont pas faits pour ça. Des écrivains, des musiciens, des cinéastes..." A ler. Uma análise interessante.

É talvez uma faceta de arte que não esperava. A arte do objecto. Mas que se enquadra bem no estilo da época em que vivemos.

Se me perguntam se é a arte que visito? Não, com certeza. Se aceito? Sim, sem dúvida.


Uma excepção! 
David Bowie, essa sim. Como lamentei não poder ir a Londres!


"In the name of God, stop a moment, cease your work, look around you."

Leo Tolstoy (from Stop and Think)

G-S

Fragmentos Culturais Contemporâneos

01.12.2013
Copyright © 2013-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 
Licença Creative Commons

5 comments:

heretico said...

é bom espreitar tua janela (cultural) e alargar horizontes...

beijo

aflores said...

Fiz, como habitualmente, uma excelente viagem cultural ao passar por aqui.

Obrigado.

Tudo de bom.

G- Souto said...

Obrigada, 'Herético' :-)

Impossível não 'alargar horizontes' culturais na era em que vivemos. E gosto! Muito.

Beijo

G- Souto said...

Obrigada eu, 'aflores'... pela visita e comentário :-)

Tudo de bom!

G- Souto said...
This comment has been removed by the author.