Friday, October 15, 2010

Lloyd Cole na Casa da Música... perfeito!







Lloyd Cole foi perfeito, dia 14 Outubro na Casa da Musica. Apresentou o seu novo trabalho Broken Record e também cantou alguns dos temas mais conhecidos do seu repertório, durante duas horas.


Músico de qualidade e rara simplicidade, Lloyd Cole, como bem se lembram foi vocalista dos Commotions, nos anos 80. Tornou-se naquela época um ícone da pop.


Nos anos 90 iniciou uma carreira a solo, ainda perto da 'pop-music'. Depois disso, foi-se aproximando de um registo folk.


Neste seu novo álbum, editado em Setembro último, Lloyd Cole volta a tocar em grupo, juntando músicos de muito prestígio. Entre eles, músicos de Lou Reed, Crash Test Dummies e até dos Commotions.


"I emailed my ideal band – I was making a record, in a studio, old school with tape. Interested? NB. The money is not much, and not negotiable. All said yes. I had a studio band."


Lloy Cole


É curioso! Se repararem bem na capa do álbum, há uma porta encimada com o número 49! Simbólico? Sim... Lloyd Cole tem 49 anos. Divertido! Porque Lloyd Cole fez várias vezes alusão à temática da idade!


Broken Record (editado Setembro 2010)

Pois voltemos ao concerto na Casa da Música! Lloyd Cole apresentou a versão acústica do álbum. Lindíssima! Cantou e tocou guitarras e banjo. 
Fez-se acompanhar pelo Small Ensemble, dois outros excelentes músicos, Mark Schwaber, guitarras e bandolim (dos Spouse e Hospital e Matt Cullen, guitarras e banjo (dos The Sight).
Que sonoridades estes três músicos trouxeram ao palco da Sala Suggia!

Não se tratou de um concerto nostalgia, ao estilo dos anos 80, não! Mas, mesmo que fizesse música anos 80, bem ao jeito dos Commotions, Lloyd Cole  continua a demonstrar a ser um músico de rara qualidade musical e lírica, muito admirado pelas várias gerações que se  cruzaram naquela sala. 





Lloyd Cole/Casa da Música
Fotografia: Hugo Sousa


O cantautor bem ao jeito 'troubadour' fez música de hoje, numa postura serena, quase tímida mas bem humorada, interpretando os temas dos diferentes projectos, sem rotulagens anímicas! Bastou-lhe o imenso talento ali bem demonstrado, de compositor e intérprete, num registo intimista, quase de bardo, o que vai rareando nesta época em que a música de computador está quase sempre presente. 

As suas líricas são imensamente poéticas! Tocou-se folk-rock de requintada  qualidade, na sala Suggia.


"Broken Record... sacrifices none of the introspective intimacy at which the singer excels... delivered with the poetic grace and subtle humour we’ve come to expect"

Record Collector

Uma primeira parte mais tímida, de parte a parte, músicos e público. É que o registo era tão puro, que quase parecia sacrilégio interromper com aplausos. Mas, na segunda parte, uma empatia mais solta! E aí, a sala acompanhou os seus poemas e cantou ou trauteou com Lloyd Cole. O cantor sorria e terminava sempre com um agradecimento quase sussurrado.

É sem dúvida um intérprete perfeito, voz e instrumental, a sua qualidade manifestou-se, mais uma vez, nesta versão acústica de Broken Record


E os músicos do seu Small Ensemble pérolas raras! Destaco Mark Schwaber pela transparência de sonoridades da guitarra, mas sobretudo do bandolim. Exímio! No final de muitos dos temas, os três músicos fizeram autênticos solos de guitarra! Uma beleza!


No 'encore', alguns temas conhecidos da sua fase com os Commotions. 'Jennifer She Said' que todos nós acompanhámos. Faltou 'She's a Girl and I'm a Man'...

Dado que o músico está em tournée no nosso país, não perca a oportunidade de o ir ouvir! 


Um concerto ao vivo é uma experiência quase divina, uma comunhão de sentires, um ritual de intensa  beleza!




"The whole experience was, for me, rewarding, perplexing, fabulously enjoyable and heinously stressful. Singing with a rock and roll band in the studio I felt exactly as I did in 1987 or 1995, and then I would see my reflection in the glass of the gobo and wonder who this old guy was… I’m happy we got these songs finished, because I’m not sure I’ll make another record like this again."


Lloyd Cole


G-S


Fragmentos Culturais


15.10.10
Copyright © 2010-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®


Licença Creative Commons


Referências


Tape Records
http://www.tapeterecords.de


Lloyd Cole myspace
http://www.myspace.com

10 comments:

Rafeiro Perfumado said...

Tenho pena de não ter assistido a esse concerto, não só pelo músico como pelo local, do qual apenas conheço o restaurante.

heretico said...

bela voz. excelente presença!

(a simplicidade é dificil!)

beijos

vitor cunha said...

Não conhecia a música de Lloyd Cole mas Fragmentos Culturais estimulou-me o apetite para tomar contacto com o que tem escrito. Daqui
resultou que fiquei com e sensação que a sua música subiu muito de qualidade, a sonoridade é excelente e confesso que se me não deixei cativar pele sua linha melódica inicial, gostei de alguns dos textos mais recentes. Tenciono continuar a segui-lo.

Susaninha said...

GI...
FOI MESMO PERFEITOOOOO!!!
Nem imaginas como gosteiiii...
Estava tão cansada , e a ouvi-lo tive flash cerebrais....
Voei , pensei...e o Llyod é um SENHOR!!!!
E perfeito é ver alguem de quem gostamos...
E sabes quem eu vi???

Lilá(s) said...

Conheço a música de Lloyd Cole e pelo texto imagino que deve ter sido um espectáculo extraordinário.
Bjs

Fragmentos Culturais said...

Foi um excelente concerto, 'Rafeiro'! Muita qualidade!

Pois! O local, ou melhor, a sala Suggia é linda!

Hum! Conheces o restaurante :)

Fragmentos Culturais said...

... sim, tudo isso, 'Herético'!

Uma noite diferente com músicos de muita qualidade!

Um beijo,

Fragmentos Culturais said...

... ora ainda bem, Vítor! Fico contente por saber que te levei até Lloyd Cole!

É claro que o aprimoramento vem com a experiência de vida! E há efectivamente uma certa distância entre o o Cole dos 'Commotions' e o Lloyd Cole da actualidade!

Fragmentos Culturais said...

... foi mesmo, Su! Uma deliciosa noite de música!!
Claro que numa envolvência destas, o cansaço 'evapora-se'! Entra a tranquilidade, não é mesmo?!

Certo! Imagina quem eu fui encontrar ;)

Beijinhos**

Fragmentos Culturais said...

... sen dúvida, 'Lilá(s)'! Foi mesmo um concerto muito especial!
Um certo toque intimista que Cole sabe ter!
E a qualidade dos músicos!

Um beijo,