Sunday, June 21, 2009

No Limite do Amor - entre a poesia e a vida




The Edge of Love
Baseado numa fase da vida instável do grande poeta galês, Dylan Thomas, considerado um dos maiores poetas do século XX de língua inglesa. Morreu jovem, aos 39 anos, mas deixou um legado poético que tem influenciado toda uma geração de escritores.

No Limite do Amor é portanto um drama biográfico, um filme de época que retrata a relação entre a poesia de Dylan e a sua vida conturbada. Tem por base poética e biográfica The Love Letters of Dylan Thomas e outros Poemas.




Keira Knightley | Vera Phillips
www.theedgeoflove.co.uk

Keira Knightley no papel de Vera Phillips, uma cantora de cabaret que entretém a população nos corredores do metropolitano (os tubes londrinos), durante a Segunda Guerra Mundial.

A actriz é talvez a força maior deste filme, a personagem que faz a ligação a Dylan mais coerente, destacando-se entre os quatro protagonistas. Uma excelente interpretação em que se disponibilizou até a cantar. E sem dúvida que este papel temático lhe assenta lindamente!




Mesa de Dylan Thomas

A história explora o submundo boémio da Londres em tempo de guerra e as complexas vidas íntimas de dois jovens casais cujos amores se vêem perigosamente interligados num filme biográfico que se distancia substancialmente do género tradicional.




Dylan Thomas| Matthew Rhys

A realização é de John Maybury talvez utópica e pouco consistente. Em parte a personagem Dylan Thomas parece responsável por esta sensação!

Fica-nos a ideia que o actor Matthew Rhys (da galardoada série televisiva Brothers and Sisters) não consegue agarrar a personagem... ou o autêntico Dylan Thomas era mesmo assim?




Dylan Thomas/ Harper Collins





This day winding down now
At God speeded summer's end
In the torrent salmon sun,
In my seashaken house
On a breakneck of rocks
Tangled with chirrup and fruit,
Froth, flute, fin, and quill (...)

Dylan Thomas, Prologue,
último poema, 1914-1953


"I couldn't be happier to be opening this most auspicious festival with this utterly seductive and fascinating film, which stars some of the most charismatic young performers in the business, and affirms John Maybury as one of our most important directors," said Hannah McGill, the event's artistic director. "It's a film that I personally adore, and opening with it is the perfect expression of our commitment to intelligent, impassioned, exciting new film-making."

Edimburgh International Film Festival


Um filme interessante, apesar de tudo, um drama intenso, não perfeito, excessivamente longo.

As críticas dividem-se, como sempre! Mas nunca me deixo influenciar quando um filme ou um livro me seduzem.


O que me atraiu? A poesia de Dylan Thomas, a banda sonora de Angelo Badalamenti! Duas mais valias!


Composing music for The Edge of Love has been an absolute joy.
The opportunity to write a dramatic score with original songs for a film is rare and special. I was fortunate to have been involved with The Edge of Love early in the filmmaking process, as that allowed these ideas to come to fruition. It gave me a chance to tailor-make the songs as an integral part of the score.

Angelo Badalamenti




"Angelo Badalamenti is a magician!
The breadth and range of his work as a composer speaks for itself. This work for my film The Edge of Love adds to his already astonishing body of work in the same way that it completes the film - the emotion, humour and pure invention enriches the images just as it supports them. The pleasure of working with this brilliant man is, I think, audible in the very substance of the music contained on this disc. All I really want to say is: Thank you Angelo - angel indeed."

John Maybury, 2008


G-S

Fragmentos Culturais

21.06.2009

Copyright © 2009-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®  

Licença Creative Commons

4 comments:

Isamar said...

Pela descrição acho que não irei perder este filme. Assim o tempo mo permita.

Bem-hajas!

Beijinhos

Fragmentos Culturais said...

Suponho que gostarás 'Isamar' apesar dos aspectos já apontados!

A poesia, a música valem pelo todo!

Sempre sensível a 'fragmentos'! Muito obrigada!

Bom fim-de-semana!
Um beijo,

Å®t Øf £övë said...

Pessoalmente gosto bastante de filmes biográficos.
Bjo.

Fragmentos Culturais said...

... so do I, so do I :)

Um beijo,

Só agora descobri teu comentário, 'Art'! Sensibilizada, como sempre!