Sunday, January 25, 2009

Capital Europeia da Cultura 2009, dois rumos!




Vilnius | Lituânia
http://2.bp.blogspot.com


Vilnius tornou-se em Janeiro de 2009 a 'Capital Europeia da Cultura'. Fogos iluminaram os céus da cidade, dando início ao programa cultural.

A Lituânia celebra ao mesmo o seu Milénio de referência histórica. Daí que estas festividades tomem um cariz tão importante.




AFP| Petras Malukas | Getty Images
http://www.theepochtimes.com

As luzes criadas especialmente por Gert Hof, o mais famoso artista das luzes da actualidade, inundaram a Capital Europeia da Cultura 2009.


Vilnius foi considerada Património da Humanidade em 1994 pela Unesco.



Torre de Gedimino | Vilnius

A Lituânia preparou uma visita virtual sobre o "Milénio da Herança Cultural" que se torna imprescindível visitar aqui

Detive-me nessa visita. E um dos aspectos que mais me atraiu, foi conhecer o primeiro livro lituano que data de 1547! De origem religiosa, é certo! Mas na Idade Média, quem detinha a verdadeira cultura e a arte dos livros eram as ordens religiosas.


Mazvydas Martynas, 1547
Catechismus


A capital da Lituânia divide o título de 'Capital Europeia da Cultura 2009' com a cidade austríaca de Linz. Uma cidade que tem uma conotação política complexa, já que era considerada a cidade predilecta de Adolf Hilter.





Linz/ Austria

As duas cidades preparam uma verdadeira maratona de programas culturais preenchidos com concertos e espectáculos multimédia, de forma a atrair turistas de toda a Europa.




Linz | Austria
www.google.com/images

Linz, conhecida internacionalmente pelo festival de arte e multimédia Ars Electronica, inaugurou o Ars Electronica Center, de moderna arquitectura.



Arts Electroinca Center
Paul Krantzer
http://www.linz09.at




Linz | Brucknerhaus
www.linz.at

Anton Bruckner, uma referência na música erudita, foi o organista da catedral de Linz de 1855 a 1868.

Dois destinos turísticos culturais a não perder em 2009, para quem gosta de associar a cultura ao gosto de viajar!


G-S

Fragmentos Culturais


25.01.2009 

Copyright © 2009-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®

Licença Creative Commons


Sunday, January 11, 2009

Edgar Allan Poe : 200 anos depois





Edgar Allan Poe
Original daguerreotype/ Edwin H. Manchester, 1848




Edgar Allan Poe
Michael Swertfager



"Tudo o que vemos ou parecemos
não passa de um sonho dentro de um sonho."


Edgar Allan Poe



Exterior da casa de Edgar Poe| Baltimore

AP/ Rob Carr 2008
http://ww1.hdnux.com/


Assinalam-se em 19 de Janeiro 2009, os 200 anos do nascimento do Edgar Allan Poe, o autor de "A Narrativa de Arthur Gordon Pym", Tales of Mystery and Imagination ou The Craven. 



Tales of Mystery and Imagination
illustrations : Harry Clarke


Cinco cidades celebrarão esta efeméride. Baltimore, Filadélfia, Nova Iorque ou Richmond são algumas das cidades por onde Poe passou e foi escrevendo

Morreu em 1848, e foi enterrado em Baltimore. Poucas pessoas compareceram, e só vinte anos depois, o autor teve direito a uma lápide.


Surgiu, por isso, recentemente uma disputa pelos restos mortais do autor, entre as cidades de Filadélfia nos EUA e Baltimore em Reino Unido.

Baltimore é a cidade onde repousa. Filadélfia é a cidade onde escreveu parte da sua obra.




AP Photo|Rob Carr 2008
Quarto de Edgar Allan Poe/Baltimore

"A verdade é que a originalidade, excepto nos espíritos de raríssima capacidade, de modo nenhum é, como alguns supõem, assunto de instinto ou de intuição. Em geral, para encontrá-la, é preciso procurá-la laboriosamente, e, embora constitua um mérito positivo da ordem mais elevada, conquistá-la exige menos invenção do que negação."



Edgar Allan Poe, A Filosofia da Composição


Na sua vida breve de 40 anos, Edgar Allan Poe (1909-1849 autor de clássicos da literatura fantástica e policial como A Queda da Casa de Usher ou Os Crimes da Rua Morgue, bem como de poemas como The Raven, viveu em vários cidade dos Estados Unidos, para além da sua Boston natal.



Quarto de Edgar Allan Poe|Baltimore
AP Photo | Rob Carr 2008
news.yahoo.com/photos


O Corvo - The Raven de Edgar Poe é uma das mais célebres composições da literatura norte-americana. O poema foi publicado em 1845 e passou a ser encarado como um desafio para tradução.

Fernando Pessoa e Machado de Assis traduziram-no para português.



illustration : Lorenzo Mattotti, 2009
 The Raven by Mattotti (illus) and Lou Reed (text)

O poema conta a história de alguém que busca nos livros ‘um saber esquecido' . Recebe certa noite a visita de um corvo. Este só emite um som, Nevermore, palavra enunciada no verso final de cada estrofe.

Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,

E já quase adormecia, ouvi aquilo que parecia

O som de alguém que batia a meus umbrais.

"Uma visita", eu me dizia, está batendo a meus umbrais.
É só isto, e nada mais.(...)

Edgar Allan Poe, The Raven

Fernando Pessoa (tradução)



illustration : Lorenzo Mattotti, 2009
 The Raven by Mattotti (illus) and Lou Reed (text)


The Raven publicado quatro anos antes da sua trágica morte, cujas causas nunca chegaram a ser apuradas, é uma das obras de Poe mais conhecidas.

Ao longo dos anos tem sido fonte de inspiração de vários criativos, entre os quais John Astin, Alan Parsons e Lou Reed.

Alan Parsons um dos grupos musicais mais inovadores da música pop-rock. Quase esquecido por cá. Mas ainda em digressão, sobretudo pelos Estados Unidos.

Parsons foi também o engenheiro de som responsável pela gravação do álbum The Dark Sid of the Moon dos Pink Floyd.






O tributo de Alan Parsons a "The Raven" de Poe

G-S

Fragmentos Culturais


11.01.2009 
Copyright © 2009-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com® 

Licença Creative Commons


fontes :

DN/Artes 

Fernando Pessoa, O Corvo/tradução 

Sunday, January 4, 2009

Lobo Antunes premiado no Porto




António Lobo Antunes

"Escrever é a minha razão de viver, a minha alegria, a minha sina, o que eu escolhi quando tinha 5 anos."

António Lobo Antunes António Lobo Antunes foi distinguido em 2008 com o prémio Camões, o mais alto galardão da literatura portuguesa.

É agora o quarto autor distinguido pelo Clube Literário do Porto, depois de Mário Cláudio, Baptista Bastos e Miguel Sousa Tavares.

Púb



Lobo Antunes
jornal digital

"Os livros em Portugal são "indecentemente caros"... há países com maior poder de compra onde são muito mais baratos, como Alemanha, Holanda e Noruega."

António Lobo Antunes, CLP, 28.12.08

O Prémio Clube Literário do Porto, 4ª edição, este ano de 2008, no valor de €25.000,00, vinte e cinco mil euros, será atribuído ao escritor António Lobo Antunes.

O prémio anual do Clube Literário do Porto, é atribuído nos termos do respectivo regulamento, por concurso de ideias e sugestões, visando galardoar o autor que mais criatividade teve na narrativa e ficção.

O Prémio será entregue em cerimónia pública, no Clube Literário do Porto, no dia 27 de Dezembro, às 22:00h.

CLP

O Clube Literário Portuense é uma instituição situado na Rua Nova da Alfândega, 22, no Porto que oferece uma actividade cultural diversificada em diferentes espaços: piano-bar, livraria, galeria, auditório.

De frente para o rio Douro, ligado à zona cultural da Ribeira torna-se uma espaço muito aprazível e dos raros ligados à cultura que a cidade vai oferecendo.




CLP | Piano-bar



CLP | Livraria



CLP | Piano bar



CLP | Entrada | Livraria
Créditos: fotografias Nuno André Monteiro
Lobo Antunes recebeu no mês passado, na cidade mexicana de Guadalajara, o Prémio Literatura em Línguas Romances 2008, no âmbito da XXII Feira Internacional do Livro. Distinguido com o Prémio Camões em 2008, Lobo Antunes, afirmou recentemente, numa tertúlia literária, que escrever é a sua "razão de viver", "alegria", "sina", "escolha" e afirmou-se "assombrado" com pessoas que escrevem livros em dois meses.

Sic

Acaba de ser publicado um 'Dicionário da Obra de António Lobo Antunes' com coordenação de Maria Alzira Seixo que servirá de apoio a todos os estudiosos da obra do autor, mas que poderá interessar também a um público literário mais especializado. 

Se não fosse pela autora, diria que um dicionário sobre a obra do autor me parece um absurdo...



O Dicionário da Obra de António Lobo Antunes, em dois volumes, é um reportório de temas e figurações (humanas, históricas, geracionais, simbólicas, estilísticas, toponímicas, etc.) cujo objectivo é o de complementar a leitura dos textos do autor ou proceder à sua introdução, facultando o conhecimento razoado de romances, crónicas e obras avulsas.(...)

Imprensa Nacional-Casa da Moeda

É óbvio que não se trata de um livro para quem pretende apenas ler Lobo Antunes! Suponho! Alguém lhe chamou um nonsense, ao criticar a edição deste livro. Com razão!

Servirá estudiosos estrangeiros da obra de Lobo Antunes? Só se forem de língua portuguesa. Ou pelo menos, a estudaram Português.

Trata-se de um livro científico! É escrito por uma professora universitária de mérito. 


Poderá, talvez, servir à preparação de uma tese sobre o autor...

G-S

Fragmentos culturais


04.01.2009
Copyright © 2009-Fragmentos Culturais Blog, fragmentosculturais.blogspot.com®  

Licença Creative Commons


Nota de rodapé: O Clube Literário do Porto encerrou no dia 31 Março de 2012. Não entendi. Tinha à sua frente, uma amiga, Maria Helena Padrão, colega de curso na Universidade do Porto, filóloga e animadora, responsável pelo espaço que se pautou durante tantos anos pela qualidade dos eventos literários. 

Verdade que nos últimos tempos, a dinâmica e os eventos tinham sofrido grande alteração. Lamentamos, no entanto, o encerramento de uma antiga referência cultural da cidade.

Actualizado em 19.08.2012